República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Victinho vai desabrochar no Flamengo?

Por | 6 de outubro de 2020
vitinho-comemora-seu-gol-pelo-flamengo-na-final-do-carioca-de-2019-1594926498270_v2_1920x1277
15 Comments
  • author avatar
    chacal 2 semanas ago Responder

    vitinho ou melhor victinho acabou com os Gambas ….

    SRN !

  • author avatar
    Felipe Abreu 3 semanas ago Responder

    Copa do Mundo acompanhei a partir de 1982 até 2006, e graças ao YouTube vi alguns jogos do tri e a da laranja mecânica. Futebol pra mim, só o do Flamengo me interessa. Pensei que fosse o único assim.
    E se dependesse se mim nem Arinho nem Vitão estariam envergando o sagrado manto. Nem esse outro que não é cinco e meio, mas suja girando a DEZ. Mas, respeito quem pensa diferente.
    Muito bom o texto. Me diverti muito.

  • author avatar

    Com copa, houve tempo de eu assistir todos jogos. Foi no tempo em que havia menos participantes (1978). 82 foi um trauma para mim. 94 fiquei blazê, mas vi a final completa. 2002, ok. Mas de 2006 em diante, foi só caindo o interesse. Teve elimanatória de eu não assistir uma partida que fosse. Culminou com 2014, viajei na primeira fase (para fora do Brasil), perdi vários jogos, e o 7 a 1 demorei para começar a assistir e não quis nem ver mais. Se não fosse o Flamengo eu abandonava o futebol, simples assim. Chega de selecinha, de qualquer país, já deu.
    SRN

  • author avatar
    Maxwel A.Rodrigues 3 semanas ago Responder

    Copa,já não tenho mais desde minha penúltima casa antes da atual,afinal qual a finalidade deste cômodo?E pra mim,se não tem Mengão nem vejo.Futebol é só uma desculpa,eu amo mesmo é ver o onze Rubro-negro.Quanto ao Vitinho,tenho uma tendência em defender os mais fracos e defenestrados pela parte raivosa da nossa Nação,mas mesmo eu,confesso que já não o faço com tanto afinco.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 3 semanas ago Responder

    Vamos deixar o Vitinho sossegado, ele faz parte de uma tradição rubro-negra milenar: há que se ter no elenco um pereba pra ser caçado a pauladas como uma ratazana prenha ( royalties para Nelson Rodrigues). Até onde a memória dá, não necessariamente em ordem de entrada em cena: Esquerdinha (esse é pro Carlos Moraes julgar) Fio Maravilha, Obina, Wellingon boca de Lhama, Márcio Caramujo, Gabriel baiano (falar nele: por onde anda o Odivan de Alagoinhas?) e muitos outros.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 3 semanas ago Responder

    O problema do Vitinho é simples troca de consoante, ele tem que desabroxar, ou seja, parar de deixar a torcida de pau na mão.

  • author avatar
    arthur maciel 3 semanas ago Responder

    Não entendo picas de psicologia, aliás não entendo de nada além de mim mesmo e olhe lá. Mas minha cara consórcia é médica e diz que o problema dele é “falta total de energia vital” se engraçando num rap. Diz ela que tem uma técnica de respiração XYZ que o Vitinho tinha que se aplicar dessa técnica poucos minutos antes de adentrar o gramado e aí o bicho vai entrar bufando. Parece que se chama respiração do fogo, só não sei se nas ventas ou no rabo. A trooper que é íntima do Landim e de toda a diretoria podia passar essa dica pra gang. Vai que cola.

  • author avatar
    Márcio Costa 3 semanas ago Responder

    Penso que sim, explico:
    Assim como o Domê, o Vitinho ganha vida com a maldita pandemia que proíbe público nos estádios. Caso contrário, o grito da arquibancada já teria mandado ambos embora.
    Otimista que sou, presumo que na volta da torcida, o Fla estará jogando o fino da bola, e aí a galera só será apoio com o time.
    Não que o Vitinho será titular, mas nos trará pontos importantes, igual ano passado, contra Atlético MG.
    Trabalho pro Domê achar a posição ideal pra ele. Não o considero nem ponta, nem meio de campo. Acho que rende melhor como atacante, como nos tempos de Botafogo e Internacional.
    Abraço e SRN!

  • author avatar
    The Trooper 3 semanas ago Responder

    Vitinho e Arão juntos, no mesmo jogo, no mesmo time, sem chance de funcionar.

    E o Jorge Jesus não “escancarou a nossa cegueira” com o Arão. Ele viu o mesmo que a gente, tanto que passou os 2 primeiros meses berrando “tá mal, Arão” na beira do campo.

    Ele mudou o Arão de posição (teve que fazê-lo, porque não tinha outro primeiro volante no elenco, além do fraco Piris) e o ensinou minimamente a se posicionar em campo, coisa que nenhum dos supertécnicos que ele teve no Brasil fez, como ele próprio afirmou.

    Já o nosso ambicanhoto Vitinho, fez os gols dos títulos dos últimos 2 carioquetas. É um feito do tamanho do futebol dele. Já pode receber um aperto de mão, um agradecimento e um autógrafo na CTPS, antes que envelheça e perca (mais ainda) valor de mercado. Temos uma garotada feroz pedido passagem, como o Guilherme Bala e o Richard Rios. Não dá mais pra ter Vitinho ocupando espaço nessa fila.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 4 semanas ago Responder

    Vitinho, ora o Vitinho, chuta com as duas pernas, chute fortíssimo, uma pena que ele nunca acerta o alvo.

  • author avatar
    CARLOS MORAES 4 semanas ago Responder

    Sou também amarradão em Copas do Mundo.
    Não perco um jogo sequer, desde que passaram a ser televisionados para o mundo.
    A minha primeira foi ao vivo e a cores, no deslumbrante Maracanã.
    Em plena terceira semana de junho, começo das então existentes Provas Parciais, iniciando pelo Brasil 4 x 0 México e não perdi um jogo, dos disputados no Rio.
    Apesar de ser considerado CDF, entrei pelo cano no colégio. Se bem que até hoje detesto regência, O médico assiste ao doente, enquanto todos nós assistimos o jogo. Algo assim, que passei a detestar. TIve que me virar nas parciais de novembro, as mais importantes.
    1954, rádio e nada mais. A seleção tinha Dequinha, que não jogou, e Índio, que entrou no célebre jogo em que a Hungria nos ensinou o que era o futebol moderno. Só para implicar com o Murtinho, façamos justiça ao Índio. Melhor do que o Silva.
    1958 e 1962, a glória, também pelo rádio. Vocês não sabem o que foi o jogo contra a Espanha de Adelardo e Puskas, ele de novo, com outra camisa. 1 x 0 para eles (dois dias depois, pelo video tape, verificou-se que com toda a justiça) até os 10 minutos finais.
    Eis que surge o Possesso e a glória para o grande Nelson.
    1966, um fracasso rotundo, nem é bom lembrar.
    Depois, o máximo que vi na seleção brasileira.
    INIGUALÁVEL.
    A partir daí, começaram as decepções, com transmissão direta de todos os jogos.
    Comparar a nossa seleçãozinha com o futebol da Holanda (Int.). Piada de máu gosto.
    1982 foi o fim da Seleção Brasileira, apesar dos títulos medíocres de 1994 e 2002.
    Uma seleção com cara de FLAMENGO.
    Cara e três dos principais jogadores. Leandro, Júnior e Zico.
    Uma derrota, quando o empate seria suficiente, tal como em 50, que me derrubou e a todos os amigos.
    Perdi o tesão, mas não a torcida, a partir daí no estilo tricolor.

    Copa do Qatar, não sei.
    Não gosto um pouquinho sequer dos países do Golfo, exploradores dos seus próprios habitantes.
    Um calor das Arábias, ainda por cima.
    Seleção do Adenor, pela segunda Copa consecutiva,
    Com Vitinho pela ponta esquerda.
    Muito obrigado.
    Fico, uma vez mais, com a TV, esperando que seja a Globo, pois as outras são todas umas merdas.

    Futurólogas SRN
    FLAMENGO SEMPRE

  • author avatar
    Henrique 4 semanas ago Responder

    KKKK, boa demais, Dunlop.

    Tenho pena do Victinho – ta tao mal, pior que ano passado. Perdeu toda confiança e onde vai encontrar com o Dome Office no comando?

    SRN

  • author avatar
    Alex Diniz 4 semanas ago Responder

    podia apostar no vitinho, no lugar do vjr.
    mais garantia de não ir.. kkkkkkkk

  • author avatar
    Rafael 4 semanas ago Responder

    Victor merece mais algumas chances, mas precisa se alimentar melhor e fazer psicoterapia.
    Copa do Mundo tanto faz, seleção que se dane.

  • author avatar
    Mauricio Lana Carrilho 4 semanas ago Responder

    Hahahaha, bom pra carai!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta para arthur maciel Cancelar resposta