República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Quando Bate Uma Saudade

Por | 22 de abril de 2019
capa2019
12 Comments
  • author avatar
    chacal 4 meses ago Responder

    cai na folia junto a charanga rubro-negra na entrada e saida do estádio(alías,nosso estádio) não passamos nenhum risco durante os 180 minutos.
    chegou até a ser monótono mas ,quer saber…..FODA-SE !
    odeio essa raça de viceinos.
    tirei onda a semana inteira e vou continuar a zueira até quando não aguentar mais.

    SRN !!!

  • author avatar
    Aureo Rocha 4 meses ago Responder

    Um pouco antes do início da partida, eu comecei a ficar nervoso e ansioso, suando frio. Então, para me acalmar, me veio em mente a possibilidade de deglutir um Rivotril, de ingerir umas doses de whisky ou de apertar uma perninha de grilo. Mas, porque estou proibido dessas substâncias, me contentei em ouvir Debussy para esperar a decisão.

    E fiquei matutando, por que o estresse? O Carioca pouco vale. Já ganhei 26. Com quatro meses de vida, já conquistava o meu primeiro tricampeonato. Em apenas 19 anos do atual século, já levantei esse caneco 10 vezes.

    Após uma rápida análise sob o ângulo da filosofia Rouseffiana, foi que eu consegui compreender a questão, ou seja, ganhar ou não ganhar essa partida não representavam a mesma coisa para mim.
    Realmente, eu estava tenso não pela hipótese de deixar de conquistar o Carioca, mas, sim de perder a partida.

    Somente quem conhece profundamente as notáveis obras da citada filósofa será capaz de me entender. Porém, eu explico:

    Eu sabia que essa conquista pouco me empolgaria. Tanto é verdade que nem gritei gol nas três vezes em que balançamos a rede do Vice. (Se bem que os quatro segundos de diferença entre a transmissão via Sumaré e a da via satélite em HD me subtraem essa alegria. A gritaria de gol do Flamengo nas redondezas é infernal. Arrascaeta nem havia tocado na bola, e eu já sabia que havia saído o primeiro gol).

    Ora, se por um lado não me entusiasmava a conquista do Carioca, por outro lado, a derrota me colocaria na mais profunda melancolia. Perdêssemos esse titulo, e a torcida do Vice aqui de perto iria azucrinar a minha santa paz. E começaria um verdadeiro Carnaval fora de época. E com certeza, eu deixaria de jantar, e de dormir com tranquilidade.

    Mas, como levantamos o caneco pela 35º vez, após o jogo treino, toda a torcida flamenguista aqui do local voltamos para os nossos cotidianos afazeres, como se nada tivesse acontecido. E o silêncio reinou aqui nos lares rubro-negros. Sabemos que o que importa é a Libertadores.

    SRN!

    • author avatar
      chacal 4 meses ago Responder

      PERNINHA DE GRILO

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      RINDO ATÉ O PRÓXIMO VICE.

      SRN !

    • author avatar
      Rasiko 4 meses ago Responder

      Favor informar o significado de “perninha de grilo”.

      Ampliar e aprofundar a cultura geral é fundamental.

      srn p&a

  • author avatar
    Vagner BSB-SSA 4 meses ago Responder

    Três vias assinadas, cópias entregues e carimbo de protocolo batido.

    Agora que acabaram as formalidades, vamos começar bem o ano ganhando bonito da LDU no Equador. Só isso.

    SRN a todos!!

  • author avatar
    Dieguito Maradona 4 meses ago Responder

    Parabéns para o mito Andrade!

  • author avatar
    Carlos Moraes 4 meses ago Responder

    A pelada de ontem foi de amargar.
    Enquanto o primeiro jogo deixou-me cheio de esperanças para os três campeonatos para valer que estamos e vamos começar a disputar, o de ontem, pelo contrário, deixou-me com a pulga atrás da orelha.
    Ser dominado em, digamos, metade da partida, pelo time do Vasco, candidatíssimo a novo rebaixamento, é bem preocupante.
    Não gosto do Abel, como já escrevi aqui e alhures umas 450 vezes.
    Foi sincero, após a pelada, ao dizer que o Vasco foi melhor e que teve de dar um super esporro no vestiário, durante o intervalo.

    Vamos depender muito dos talentos individuais, em especial do De Arrascaeta.

    Preocupadas SRN
    FLAMENGO SEMPRE
    PS – o lance tenebroso do FESTA NA FAVELA nem quero comentar. Também de há muito venho chamando à atenção para o bando de mauricinhos à frente do Flamengo, o que é, sem dúvida, um mau presságio.

    • author avatar
      Trooper 4 meses ago Responder

      O jogo foi mesmo uma baita pelada. Vasco é muito fraco e o Flamengo uma completa bagunça.

      Já com os tais “mauricinhos” à frente do Flamengo, não entendi o que quis dizer. Os antigos não eram? O Flamengo era governado por membros de qual classe social antes? O Márcio Braga era pobre?

      Tá falando isso porque a Globo, que não usa o termo “favela” por ser politicamente incorreto (usa “comunidade” há anos), quer impor que uma empresa de marketing contratada pelo Flamengo use, arriscando-se a tomar processo? Tudo pra vender jornal e fazer populismo de quinta categoria?

      Não vi lógica. Não vi sentido.

      Rodolfo Landim está muito bem à frente do clube.

      A Globo que tome vergonha e volte a ser uma empresa responsável.

      • author avatar
        Carlos Moraes 4 meses ago Responder

        A Rede Globo, nos dias atuais, está apanhando por todos os lados.
        Já apanhava, desenfreadamente, pelo lado esquerdo, e, em razão da ^nova ordem^, passou a apanhar, mais ainda, pelo lado direito.
        Tudo bem, é um direito da direita.
        Só não precisa ser mentirosa, ao dizer, ^vamos moralizar^, mas … soltando uma baita verba para os bispos da Record.

        No tocante ao Landim, é muito cedo para se dizer quanto ao seu sucesso à frente do nosso Clube, embora, cabe reconhecer, mesmo sendo um tremendo ^mauricinho^, tenha tudo para ser um bom Presidente.

        Não se pode negar, no entanto, que foi MUITO MAL no episódio trágico que resultou na morte de dez meninos.
        Ficou calado durante um longo tempo e fez corpo mole no tocante às indenizações que se impõem, até mesmo por exigência legal, se o assunto for levado à Justiça. Não cabe a menor discussão. Não há menor possibilidade de se fugir à responsabilidade civil, que não se confunde com a penal.

        Neste último episódio, do ^Festa na Favela^, evidentemente de dimensões infinitamente menores, também foi mal a Diretoria, como bem fez ver o Juca Kfouri.
        A tal Nota Oficial é mais uma confissão de culpa.
        A partir do fato vir a público, é um ^Deus nos acuda^ em se falar Festa na Favela, até a nossa querida Nivinha, lá dos States, entrou nesta.
        Cartazes no MaracANÃO, cantoria puxada, meio sem graça, pela Magnética, até os jogadores em suas entrevistas.

        Se o uso da palavra FAVELA é politicamente incorreto estamos diante de um absurdo total.
        Se uma empresa séria tem simplesmente MEDO de qualquer punição por empregar o termo, a mesma tem forte tendência a ser incompetente.
        Não há como negar que, há muitos Carnavais (e aqui não se quer fazer apenas uma relação de tempo), ganhou espaço, de forma ridícula, o termo COMUNIDADE.
        Aí entra o ^probrema^ do mauricinho. Estando à frente de uma autêntica Nação, tenha coragem e liberte-se de falsos preconceitos.
        Grite bem alto, sempre e sempre, a palavra FAVELA.
        Garanto que, quando nunca, terá o respaldo da Música Popular Brasileira,

        SRN
        FLAMENGO SEMPRE
        PS – a citação do Márcio Braga revela bem quem possa ser o ^Trooper^. Por falar nele. O nosso maior e mais vitorioso Presidente de todos os tempos, pelo menos até agora, nunca colocou os pés em qualquer ^comunidade^, nem mesmo quando de suas campanhas políticas.
        PS 2 – O Flamengo nada deve à Rede Globo. Antes dela já era ENORME, como qualquer estudo banal sobre público e renda no futebol, anterior a 1964, comprova com total facilidade. Apesar disso, a mesma teve papel preponderante no movimento FAF, de grande importância para a nossa grandeza. Os homens eram, em boa parte, de lá. O Márcio foi apenas o representante final, exatamente por ser bonito, rico e ^vitelone^.

      • author avatar
        Rasiko 4 meses ago Responder

        Não, meu caro, o Landim não está indo bem, que dirá “muito bem à frente do clube”.

        É mais um que se revelou covarde (eu desprezo covardes) e omisso.

        O papel que ele fez na tragédia do Ninho foi de dar nojo.

        Fazer negócio com a morte de 10 crianças é asqueroso e se as pessoas não tivessem a memória tão curta e o nível de idiotia galopante não fosse tão avassalador a torcida deveria rejeitá-lo pra sempre e cobrá-lo até o fim dos seus dias. É repugnante.

        Mas claro, tudo depende do nível de consciência de cada um. Tem gente que não consegue enxergar o óbvio.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 4 meses ago Responder

    Arthur, pra variar concordo em tudo com a crônica. Agora sutileza de maior profundidade foi a constatação realista: … “histórico Juan, que talvez seja um dos últimos brasileiros a conseguir a façanha de se aposentar no país”. Amarga profecia. Meditem, principalmente os mais jovens, sobre esse futuro sombrio em que talvez a solução seja uma bala na cabeça como se faz hoje no Chile.

  • author avatar
    João Neto 4 meses ago Responder

    Arthur, vi o enredo pastelão do aprendiz de Neymar ( Gabigol) E os zagueiros do vasquinho de outra forma. Sabedores do potencial inferior, partiram para decidir no início de jogo. Utilizaram, também, o recurso psicológico e quase atingiram o objetivo. O nosso desconscientizado jogador quase era expulso por excesso de encenações de péssima categoria. Não é compreensível esse tipo de atitude em um jogo para cumprir mero compromisso. Já fora expulso na Libertadores infantilmente. Estava esperando esse momento. Não digo que o Anão da Colina iria fazer estrago, mas iria incendiar o jogo. Esse rapaz deve ter um trabalho sério pelos responsáveis pela área psicológica. Muito fraco de cabeça. Tenta se utilizar de uma malandragem extemporânea. Infantil. Abobalhada.

    Libertadores é outro nível. O sarafo é bem mais alto.

    Valeu pelo título e pela manutenção da longa escrita.

    SRN

Deixe seu comentário