República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

A noite dos 11 cavalos

Por | 7 de agosto de 2018
Jogo realizado no Estádio Mario Filho - Maracanã 28/07/2013
21 Comments
  • author avatar
    João Neto 1 semana ago Responder

    Marcelo, casualmente, seu artigo coincidiu com o atual momento de crise. Sem adentrar a detalhes dessa situação, apenas para consolo, uma breve passagem pela porta 58 seria suficiente para digerir a tempestuosa maré de momento. Uma alegria há muita esquecida.

    SRN

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 1 semana ago Responder

    O Flamengo está se comportando como time sério relativamente há pouco tempo, queiram ou não queiram, data desde essa nova mentalidade na diretoria que aí esta, mais ou menos há seis anos, antes era só cafajestadas de presidentes que faziam contratações mirabolantes para se promoverem e levaram o clube a dívida inacreditável de 800 milhões. Claro há 37 anos ganhamos uma Libertadores (ou equivalente) e 1 Mundial, o resto foram carioquetas, três copas do Brasil, e raras aparições nas Libertadores. Agora, fugir do rebaixamento era ano sim, outro também. Portanto, o (in) sucesso do Flamengo é pura estatística, como ganhar competição se raramente dela participamos?Está fase terrível que estamos atravessando agora e já há uns poucos anos atrás, se possuíssemos esse mesmo time que considero sofrível, estaríamos disputando, como estamos agora, algo realmente representativo e mais um fracasso não nos pesaria tanto, como agora. E isso gera ansiedade. A torcida teria paciência se de permeio houvesse algum título, ou pelo menos, algum classificação razoável, uma semifinal, por exemplo. Mas a cada ano que passa começamos da estaca zero e eu como diria a Nora Ney nos inesquecíveis versos de Antônio Maria: velhice chegando, e eu chegando ao fim.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 1 semana ago Responder

    Olha, meus amigos, vivi mais um dia na minha velhice e mais um emaranhado de rugas me deixou esse menos um dia que devo viver, o Flamengo jogou ontem e, para variar, perdeu, mais um vexame nessa lúgubre trajetória e mais um “jogo esquecível” para minha inteminável coleção.

  • author avatar
    Roberto Fla 2 semanas ago Responder

    Muito legal o texto.

    Foram muitos jogos marcantes, ma eu começaria pelo primeiro campeonato brasileiro, depois o tri do Pet, ….

    SRN

  • author avatar
    Bernard Fernandes 2 semanas ago Responder

    Ótima e oportuna lembrança. Parabéns pelo texto!

    SRN

  • author avatar
    Maroog 2 semanas ago Responder

    “Ontem, nossos heroicos rapazes vestidos de vermelho e preto foram muito mais que um time. Nem lembravam aqueles jogadores que outro dia estavam jogando nossos fins de semana no lixo. Eram 11 médiuns, 11 cavalos a incorporar a impiedosa entidade Flamengo em um transe coletivo com os mais de 50 mil bem vestidos cidadãos que apinharam, arrepiaram e oficialmente quebraram o cabaço do Maraca padrão Fifa. Pela primeira vez desde sua reabertura o ex-maior do mundo tremeu em suas bases. (…)”

    Arthur escreveu isso? Puta que o pariu, que GÊNIO….

    Espero que os 11 cavalos deste ano incorporem o espírito do Flamengo de 1981, dos 35 dias a partir do 6 x 0 no Botafogo. Ganhem a porra toda, FAÇAM MILAGRES, CARALHO!!!

  • author avatar
    pedro rocha 2 semanas ago Responder

    Faz literatura o Marcelo Dunlop!

  • author avatar
    Carlos Moraes 2 semanas ago Responder

    Com aquela voz abaritonada, Altemar abria o gogó e soltava –

    ^Sentimental eu sou, eu sou demais^.

    Extremamente lindo, pois encantado por um sentimentalismo que não é piegas, o artigo de reaparecimento do Dunlop.

    Como o querido (apesar de sequer conhecê-lo) Xisto, logo passei a imaginar qual jogo gostaria de ficar revendo pela eternidade.
    Difícil, em função da idade, uma escolha.
    Não fiquei pensando, deixei brotar.

    Veio, com absoluta precisão, até a data – noite de quarta-feira, no verdadeiro Maracanã, dia 4 de abril de 1956, terceira e última partida decisiva da melhor de três pelo Campeonato Carioca de 1955, entre Flamengo e América.
    Discordando do Xisto, portanto, pois, à época, o Campeonato da Capital Federal era, para todos os torcedores, uma autêntica Copa do Mundo, e dane-se quem argumentar em contrário.

    Tem história a decisão, no seu todo, pois realizada num momento mágico, quase insuperável da minha vida.
    Havia acabado de passar no vestibular e ingressado na Faculdade Nacional de Direito.
    Para não mentir e para não ser cabotino, vou apenas dizer que passei muito bem colocado, entre os dez primeiros.
    Sentia-me um ser superior, como nunca em minha vida fui tão imbecil.

    No último domingo de março, na primeira partida, ganhamos de 1 x 0, num golaço do fenomenal Evaristo.
    A seguir, a Semana Santa.
    Com um grupo de amigos e amigas, fomos para Cabo Frio, ainda um grande areal, numa época em que, na melhor das hipóteses, o grande ^assédio sexual^ era segurar os peitinhos de uma eventual namorada, acariciando-lhe e beijando-lhe os mamilos.
    Perdi a minha, que não me era importante, pois deixei os seus seios para voltar no Domingo de Páscoa, no ônibus da madrugada da 1001, a fim de assistir a conquista do título.

    Ferro total – 5 x 1, para eles.

    Na segunda-feira, começaram as aulas na Faculdade.
    Acreditem que é verdade.
    DE TERNO E GRAVATA.

    Logo na quarta, assim vestidos, saímos de lá, o meu colega Eliel de Vasconcellos e eu, direto para o Maracanã.
    GLÓRIA TOTAL – 4 x 1, com quatro gols do Dida, que não pudera jogar as duas primeiras partidas.

    I-N-E-S-Q-U-E-C-Í-V-E-L !!!!!!!!!!!

    Felizes, como quase sempre, RECORDAÇÕES rubro-negras.
    FLAMENGO SEMPRE

    PS – fazendo justiça aos responsáveis pela emoção. Técnico – Fleitas Solich (homenageando o Xisto, ^ganó el mejor^). Time- Chamorro – Tomires e Pavão – Servílio (o títular era o Jadir, não sei a razão da ausência), Dequinha e Jordan – Joel, Duca, Evaristo, Dida e Zagalo.

    • author avatar
      Marcelo Dunlop 2 semanas ago Responder

      Sempre vale voltar no tempo para bitocar uns mamilos, amigo Carlos. E ainda ver o velho Dida no ataque, putzil!

  • author avatar
    Fernando 3 2 semanas ago Responder

    Eu acho que li, uma vez, um depoimento do gente boa, rubro negríssimo Ruy Castro (autor de biografias de personagens famosos como “O anjo pornográfico”, “Carmen”, “Chega de saudade”, “Ela é carioca”, “A noite do meu Bem”) que uma das suas obsessões em escrever o livro sobre o Garrincha (“Estrela Solitária”) é que ele, garoto de 14 anos, foi ao Maracanã com o pai e sentou atrás do gol em que o Garrincha praticamente liquidou o jogo contra o Flamengo na final de 62, 3×0! 160.000 presentes!

    Se me lembro bem, dizia ele que a imagem do jogador se agigantando, na sua direção [ e do gol adversário], endiabrado, “imarcável”, como um vendaval…despertou nele uma paixão estarrecedora como nunca imaginara! O verdadeiro diabo de pernas tortas! Magnífico em sua Arte e ao mesmo tempo Amedrontador!

    Eu, que sou botafoguense do Jairzinho pra cá,e que nunca vi o famoso camisa 7 jogar, ao ler este depoimento, e ver os videos do Garrincha, queria voltar nesse dia pra conferir o espetáculo em um Maracanã lotado, O maior templo do futebol!!!, e me encantar…

    Como diria a personagem da Fernanda Montenegro na cena, pra mim, mais tocante do filme “Central do Brasil”, tenho saudades de tudo!

    Até do que não vivi!…

    Saudações reverenciais (©MCM) de um alvinegro à massa rubronegra, desejando uma bela festa amanhã!

    Fernando 3

    A cena:

    https://www.youtube.com/watch?v=M_-GNGnweuU

    • author avatar
      Marcelo Dunlop 2 semanas ago Responder

      Valeu Fernando, realmente “não é só futebol”…

      • author avatar
        Fernando 3 1 semana ago Responder

        É magia, é fantasia!

        Parabéns pelo texto, Marcelo! (como sempre…)

        Abraço!

        F3

  • author avatar
    Lucas Ponte 2 semanas ago Responder

    Voltaria ao gol do Pet em 2001 para reviver adulto aquela emoção de 15 anos de idade.

    • author avatar
      Marcelo Dunlop 2 semanas ago Responder

      Com a vantagem de ainda poder pagar uma cerveja para o seu eu-jovem. Ah, quem dera.

  • author avatar
    João Neto 2 semanas ago Responder

    Se pudesse ter esse poder de escolha, com certeza seria o primeiro título do Campeonato Brasileiro. Flamengo 3 x 2 Atlético Mineiro. Relembrar Zico, Andrade, Leandro, Júnior, Adílio, Tita , Júlio César e o artilheiro das decisões. Esse realmente era decisivo! Nunes, o João Danado.

    E o Atlético Mineiro também tinha um timaço. Foi o jogo mais nervoso ao qual assisti. Jogadores com o primor da técnica. Base da Seleção de 1982.

    Não vou nem tentar qualquer tipo de comparação com o atual elenco rubro-negro. Seria um processo extremamente depressivo. Restam as alegrias de ter visto um dos maiores times de todos os tempos. Com certeza, o maior que o Flamengo já formou. Com a assinatura de que a grande maioria dos jogadores foram oriundos da base.

    Saudações rubro- negras!

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 2 semanas ago Responder

    Marcelo, estava sentindo sua falta. Sua proposta me fez lembrar de uma revista do tempo do minotauro, ainda nem sei se existe, a Seleções do Reader’s Digest que na época costumava se dizer que o cara era “culto” poque lia Seleções, pois é, havia na revista uma seção fixa, “Meu tipo inesquecível”, o que me lembrou o tal jogo inesquecível. Só que jogo inesquecível pra mim é jogo de ganho de campeonato, mas campeonato mesmo, coisa séria e não carioquetas, e eventuais copas do Brasil, portanto, há mais de trinta anos que o Flamengo não me dá essa alegria de “um jogo inesquecível”. E pelo andar da carruagem, nem sei se vou ter essa oportunidade nessa minha vida de velho rabugento, portanto, é melhor esquecer o tal jogo inesquecível. É desolador.

    • author avatar
      Marcelo Dunlop 2 semanas ago Responder

      Vamos com fé, que este ano tem mais, caro Xisto. Abraços.

    • author avatar
      Mario Dunlop 2 semanas ago Responder

      Ainda existe, caro Xisto. E já deve estar no número 814.539. E ainda penso nesse tal jogo inesquecível. Com idade avançada são vários. Ótima nova crônica!

  • author avatar
    João paulo sá de freitas 2 semanas ago Responder

    Monstro! Que bom que voltou!

  • author avatar
    Carlos Moraes 2 semanas ago Responder

    estou sem tempo, pois tenho um compromisso importante.

    em um primeiro momento, só quero afirmar que o artigo, de alta sensibilidade, é magnífico.

    SRN
    FLAMENGO SEMPRE

  • author avatar
    Leonardo Luz 2 semanas ago Responder

    Ótimo texto e ótima escolha de transcrição; o texto citado do Arthur é magnífico. Tenho armazenado no e-mail em mensagem que enviei a amigos flamenguistas após aquela fantástica partida (acho que eu nunca gritei tanto em um gol). De vez em quando, leio novamente.

    SRN

Deixe seu comentário