República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Não se ganha isso aí com pé nas costas.

Por | 1 de novembro de 2019
Bolt Form1
36 Comments
  • author avatar
    Xisto Beldroegas 2 semanas ago Responder

    Agora vem cá, Murtinho, eu como sou um masoquista inveterado acabei de ver o finalzinho do VT do jogo contra o Goiás, me responde uma coisa, o papel do jogo não estava invertido? Quem deveria estar todo na defensiva não seria o Flamengo, regra comum de time que está com dez?Quem deveria sofrer com contra-ataques não seria o Goiás, e além disso fez até gol? O que estava fazendo lá na área adversária o Filipe Luís que sofreu até uma falta violenta?Não era hora de ele estar recompondo a nossa defessa? Será que o JJ não está levando ao extremo essa sofreguidão de atacar o tempo todo? O nosso técnico não poderia ter sido um pouco conservador naquela hora cruciante e deixar de querer só ganhar mesmo que seja com dez?

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Exatamente.

      Por isso, e apesar de também achar que ele vinha fazendo mais mal do que bem ao time, eu achava que a entrada de Diego poderia ser uma boa. Da mesma forma que foi, por exemplo, naquela vitória sobre o Corinthians em Itaquera, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Aliás, continuo achando que Diego pode ser um reserva útil.

      Ganhávamos, estávamos com um a menos e o único jeito do Goiás ameaçar era no contra-ataque, com a velocidade do Michael. Demos a eles a única chance que tinham.

      Não sei como é que os moderninhos chamam isso – resiliência, inteligência emocional, por aí -, mas que faltou, faltou.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Carlos Moraes 2 semanas ago Responder

    Murtinho e demais amigos deste fabuloso RP&A

    Sábado, 02.11.19, às 14.15 H

    Acabo de assistir e de acpmpanhar indiretamente três jogos europeus, envolvendo os três mais badalados times do mundo, a saber, Manchester City, Liverpool e Barcelona.

    Pois bem, foi um sufoco para todos, em especial para o time do Messi, que acabou derrotado.

    Levante 3 x 1 Barcelona, com gol do Messi, de pênalti, no primeiro tempo, sendo que os três gols do pequeno adversário, que jogava em casa, foram na etapa final.
    Não vi, apenas soube o resultado.

    Os dois inglêses ganharam de virada, por 2 x 1, no segundo tempo, de forma absolutamente dramática.
    Em Manchester, contra o Southampton – que vinha de uma derrota, em casa, para o Leicester, pelo extravagante placar de 9 x 0, na maior derrota de todos os tempos da Premier League – o time do Guardiola empatou com Aguero aos 75 e venceu com um gol do lateral-direito Walter aos 89 minutos.
    Em Birmigham, contra o Aston Villa, foi ainda mais dramática a virada do Liverpool, com goals do excelente lateral esquerdo Robertson aos 87, de cabeça, e outro do incrível Mané, aos 94 minutos, eis que o árbitro deu 6 minutos de acréscimo.

    Qual o motivo dessa minha participação. podem estar indagando, eis que uma minoria se interessa pelo futebol inglês e espanhol.
    Muito simples.
    Pretendo deixar claro que todo e qualquer grande time tem seus dias de sofrimento,
    Foi o que aconteceu conosco nestas duas últimas rodadas, onde, tal como o Liverpool e o Manchester City, também não perdemos.

    Como dizia meu pai há um tempão – ^calma, que o Brasil é nosso^.

    Tranquilas SRN
    FLAMENGO SEMPRE

    • author avatar
      Carlos Moraes 2 semanas ago Responder

      Fiquei sabendo somente agora (15.15 H)

      Em Frankfurt, Eintracht 5 x 1 Bayern

      Positivamente, não se devia jogar no Dia de Finados.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Meu querido Carlos Moraes.

      Proponho que a gente faça uma pequena adaptação, pra deixar a frase do seu pai ainda mais apropriada ao momento:

      “Calma que o Campeonato Brasileiro é nosso.”

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    The Trooper 2 semanas ago Responder

    Sinceramente, detesto o futebol do Rodinei, mas não vi tanta relevância de suas falhas.

    O primeiro gol do Goiás veio em uma boa virada de jogo, em que o Flamengo inteiro estava no canto oposto. Depois um cruzamento competente do bom Michael, para o Rafael Moura que venceu facilmente o Marí na entrada da pequena área.

    O que aconteceu dali para o fim do jogo foi exclusivamente em razão da insanidade do fraquíssimo César, outra herança maldita da gestão anterior, que não conseguiu ser titular em times minúsculos, mas que continua no Flamengo.

    O segundo gol foi mais desatenção do Rodrigo Caio e do Marí que não atentou para a linha do impedimento do que do Rodinei.

    Enfim, acho que o Rodinei tá pagando o pato pelo histórico nesse caso aí.

    Marí e Rodrigo Caio também erram. Podem ser criticados também.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Fala, Trooper.

      Em parte você tem razão.

      Acontece com Rodinei o que aconteceu durante muito tempo com Willian Arão (às vezes, o Cuéllar errava e o Arão era culpado) e continua acontecendo (muito por causa dele mesmo, é verdade) com o Vitinho. E também não vejo, no futebol brasileiro, nenhum time com um lateral reserva muito melhor que ele. Pará virou titular no Santos. Desfalcado de Leonardo Gomes, Renato teve que improvisar Paulo Miranda na derrota para o Flamengo. Quando Fagner não joga, o Corinthians perde meio time. E por aí vai.

      Outra coisa importante é a nossa falta de capacidade para enxergar méritos nas jogadas alheias. No lance do primeiro gol, o tal do Thalles realmente virou muito bem o jogo da direita para a esquerda, mas Rodinei deu muito espaço para o cruzamento. Não era o caso de dar bote, porque Michael é rápido, mas tinha que diminuir. Michael ficou à vontade para cruzar. Discordo de uma possível falha – que você deixou nas entrelinhas – do Pablo Marí. Aquele cruzamento é mortal para os zagueiros e indefensável para os goleiros. Mérito do cara, vida que segue.

      E faço uma ressalva. Quando você fala que “o que aconteceu dali para o fim do jogo foi exclusivamente em razão da insanidade do fraquíssimo César”, você está esquecendo o que talvez tenha sido a jogada mais bisonha perpetrada esse ano por um jogador com a camisa do Flamengo: o tropeção na bola, o escorregão nas próprias pernas, sei lá que porra Rodinei inventou que se embucetou sozinho no gramado, foi tão vergonhoso quanto Diego Hipólyto quicando de bunda no chão na Olimpíada de Pequim. Michael só não empatou o jogo ali – e se isso tivesse acontecido, provavelmente até perderíamos – por ter se precipitado na conclusão. O lance aconteceu na saída do Flamengo após o gol de Rafael Moura, César ainda não tinha sido expulso.

      Quanto a Rodrigo Caio e Pablo Marí, quando erram são criticados sim, só que Marí tem dado sorte: dois erros muito feios dele (contra o Inter, no fim da primeira partida das quartas de final da Libertadores, e contra o São Paulo) não deram em nada. Nico López chutou pra fora e Diego Alves defendeu o chute de Antony. Rodrigo Caio foi devidamente cornetado pelos vacilos contra Atlético Mineiro, Goiás e Inter – respectivamente, gols de Cazares, Kaíke e Patrick.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Márcio Costa 2 semanas ago Responder

    Também achei que o time perdeu toda a ofensividade sem Éverton Ribeiro e Arrascaeta. Vacilo do Mister… assim como ter mantido o Rodinei depois daquele escorregão logo após o 1º gol dos caras. Mas vida que segue! O Portuga já acertou tanto que tem crédito de sobra.
    Esse contratempo também servirá pra melhorar a capacidade mental do time. JJ deve ter tirado boas lições.
    Rumbora rumo ao hepta!
    SRN

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Fala, Márcio.

      Então: na verdade, crédito todo mundo tem. Até o Rodinei, que entrou bem no lugar do João Lucas, no jogo com o Fortaleza, e fez um partidaço contra o Fluminense. Fiquei com a sensação de que ele sentiu a responsa de ter que marcar o Michael, que é um atacante muito chato, e acabou sendo outra escolha errada do Jorge Jesus. (Naquela rápida entrevista que sempre ocorre antes do jogo, ele disse que tinha quatro pendurados – Rafinha, Gerson, Arão e Gabriel – e optou por entrar somente com dois. Claro que é fácil falar depois, mas talvez o Rafinha tivesse que ser um deles.)

      Quanto ao Everton Ribeiro e o Arrascaeta, a questão aí é de organização. Sem os dois, vira um time comum, ainda mais porque Gerson também não entrou arrebentando como vinha fazendo.

      Igual a você, torço para que a noite de quarta-feira, o inesperado empate e os dois pontos desperdiçados tenham servido de lição.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Carlos Moraes 2 semanas ago Responder

    Também são os meus desejos.

    Pronta recuperação.

    FLAMENGO SEMPRE

  • author avatar
    chacal 2 semanas ago Responder

    murtinho,

    duas coisas me chamaram atenção além do que vc já escreveu.
    a primeira foi tirar o vitinho com 15 minutos em campo,ele tinha gás pra continuar em campo.
    a segunda foi deixar o rodiney em campo mesmo falhando uma atrás da outra.
    flamengo perdeu uma grande chance de fazer uma coisa de útil ontem,mandar o rodiney assustar as criançinhas na noite das bruxas.
    não precisava nem de mascaras,bichinho é feio !
    sinal de alerta foi ligado,vencer o small é OBRIGAÇÃO !

    SRN !

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Fala, Chacal.

      Gabriel não estava bem no jogo, estava cansado e irritadiço, talvez fosse o caso mesmo de sacá-lo, em vez do Vitinho. Jorge Jesus teve uma quarta-feira de horror.

      Falar em obrigação é sempre complicado (quase nunca dá certo, deixa eu bater na madeira), mas o jogo com o Corinthians é uma grande oportunidade pro time recuperar as boas atuações que teve até a goleada sobre o Grêmio. Vamos torcer.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Ricardo 2 semanas ago Responder

    Você disse tudo, Murtinho. Uma coleção de erros, do bom goleiro César estabanado ao Jesus equivocado nada deu certo.
    O time ficou pilhado depois que levou o primeiro gol, como se soubesse que não conseguiria reagir, entrou em pânico.
    O massacre contra o Grêmio teve um efeito muito estranho na equipa e no próprio Mister.
    Agora, ter que contar com o Rodinei ou o Piris da Motta não dá mais. E alguns jogadores estão entrando mal no time, e já foram bem em outras ocasiões, caso de Thuller ou Cesar.
    Pior é que não pode mais vacilar, apesar da boa vantagem que ainda tem. Começa a se lembrar de 2009 e aí apavora…

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Pois é, Ricardo.

      Apesar das incessantes duras de Jorge Jesus, há uma leve suspeita de que os cinco a zero fizeram o sucesso subir à cabeça do time. E apesar de ser péssimo lembrar isso, tenho a impressão de que em 2009, nessa altura do campeonato, nossa situação em relação ao Palmeiras era bem parecida com a do Palmeiras agora em relação a nós.

      O jogo contra o Corinthians é uma grande chance de reenquadrarmos a parada.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Rafael 2 semanas ago Responder

    Jesus também erra. Bota o Reinier pra jogar, portuga. A chacoalhada veio na hora certa e o time vai acordar domingo. 3 x 0 no Corinthians.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Fala, Rafael.

      Erra e errou.

      Também acho que o jogo com o Corinthians é a grande chance de recolocarmos esse Campeonato Brasileiro em ordem. Vamos ver.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Rasiko 2 semanas ago Responder

    Estarei vendo fantasmas ou o time, depois do grande show contra o Grêmio, tá oscilando entre o salto alto e a histeria coletiva? As unhadas e puxação de cabelo entre o Arão e o Gabriel no fim do jogo foi patética. E o JJ, será que baixou nele o “português burro” de antanho? Não dá pra engolir esse empate escroto sem sair caçando bruxas. E uma delas não é o Vitinho – entrou com uma perna e saiu com a outra antes de se posicionar. Filipe Luís fez sua pior partida desde que chegou – não tinha 10 min de jogo e ele completou 3 erros de passes ridículos e isso comentei com o Humberto. Foi o 1º sinal. Aos 20 minutos duvidei que o Arrascaeta tivesse sido escalado – procurei, procurei, e não achei. Insisti e achei… na ponta direita, embolado com o Everton Ribeiro e eu, que não confio nem um pouco nos meus saberes táticos, fiquei matutando que porra de arapuca o JJ tinha armado por ali. Nenhuma, era bagunça mesmo, digna dos tempos do Abel. Desconfiado e insatisfeito não vibrei nos gols e no único lance que me levantou da cadeira Arrascaeta enfiou uma bola na medida pro Gabriel só encobrir o goleiro e ele faz aquela merda que todo mundo viu, típica de pereba de 5ª categoria – sem mencionar mais um amarelo, mais um piti, mais um estrelismo, mais um foda-se pro time, pra torcida e, em resumo, pro Flamengo. Esse romance dele com a irmã do Neymar traz péssimas influências biológicas. Não tenho o menor saco pra aturar esse tipo de gente. Me recuso a falar do Rodiney e do Piris Motta. Me recuso a aceitar que este vagabundo venha manchar a bela história de paraguaios como Garcia, Solich, Benitez e Reyes e, pior de tudo, tenha custado 26 milhões, mais caro que BHenrique, em mais um atestado de incompetência do Banana de Mello que, não satisfeito, prorrogou o contrato do stand-up jester do Ninho até 2022 – que porra ele tava fazendo lá na frente se tinha como missão marcar o jogador adversário mais perigoso? E o meu questionamento foi finalmente respondido: JJ mostrou, na prática, porque não está entre os melhores treinadores europeus. Ou reencontra o caminho de casa contra o curíntia ou… não tô a fim de saudação nenhuma e paz e amor é o catzo.

    • author avatar
      Rasiko 2 semanas ago Responder

      Ah! e, quem diria, do JJ.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Rapaz!

      Sobrou até para a saudação do Paz & Amor, que ao menos em tese não tem nada com isso.

      Mas eu também acabei de ver o jogo com uma sensação estranha. Confesso que não liguei muito pra essa briga aí entre Gabriel e Willian Arão. Se até em pelada a gente briga com companheiro de time, imagine em um jogo pegado e na reta final do Campeonato Brasileiro, como o de quarta-feira. Agora, que o Willian Arão deu uma bela empinada no nariz depois que conseguiu virar o jogo junto à mídia e à torcida, é fato. E que o temperamento de estrela do Gabriel é insuportável, não resta dúvida. (A menina pode até não ter culpa de nada, mas a teoria sobre a irmã do Neymar é divertida.)

      Também acho que o Vitinho não teve culpa de nada, o erro na entrada dele coube a Jorge Jesus. Everton Ribeiro poderia ter saído e Vitinho poderia ter entrado, só que o Vitinho não poderia ter entrado no lugar do Everton Ribeiro. Aqui entre nós: pode ser que eu esteja enganado, mas Jorge Jesus achou que o jogo tinha acabado. Estrepou-se.

      Abração. SRN. E, insisto: Paz & Amor.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Hahaha! Boa!

  • author avatar
    Aureo Rocha 2 semanas ago Responder

    Caro Murtinho,
    excelentes os artigo e resumão.

    Às suas duas hipóteses trazidas, eu acrescentaria uma terceira: o próprio Mister ordenou o time tirar o pé do acelerador para não chegar totalmente desgastado no dia 23.

    Inegável que após a classificação para a final, o time já não joga com a mesma intensidade de antes. Aquela marcação cerrada na saída de bola do adversário foi afrouxada e o time, visivelmente, se poupa em campo. Creio que o Mister deve ter avaliado que os 10 pontos de vantagem permitiriam tamanha ousadia, por isso até andou rodando o elenco.

    Tomara que esta seja a verdadeira razão da queda de produção do time.

    Recentemente, aqui no RP&A, afirmou-se que conquistar o Campeonato Brasileiro e a Libertadores concomitantemente não é tarefa nada fácil, notadamente depois que o Brasileirão passou a ser disputado por pontos corridos, quando ninguém conseguiu este feito.

    Antes da final do dia 23, o Flamengo jogará num prazo de 14 dias 5 partidas seguidas: dias 03, 07, 10, 13 e 17, contra Corinthians, Botafogo, Bahia, Vasco e Grêmio, respectivamente.

    E o Flamengo para conquistar, matematicamente, o Campeonato Brasileiro, somente poderá perder duas partidas e empatar uma, com a obrigação de vencer, portanto, as seis restantes.
    E quais as 6 partidas menos complicadas para o Flamengo vencer? Na minha modesta opinião:

    1ª) Santos, na última rodada – se o Palmeiras depender do Santos para conquistar o bicampeonato, não leva. Imaginemos em sentido contrário, se o Vasco dependesse de uma vitória do Flamengo sobre o Santos, na última rodada, para conquistar um bicampeonato brasileiro, quantos flamenguistas iriam ao Maracanã torcer pelo Flamengo?

    2ª) Avaí – na penúltima rodada, já estando rebaixado, o Avaí jogará apenas para cumprir tabela;

    3ª) Bahia – vem caindo assustadoramente de produção, vindo de 3 derrotas seguidas. Provavelmente quando o Bahia enfrentar o Flamengo já não mais almejará uma vaga no G6, estando plenamente satisfeito com a vaga Sul-Americana.

    As outras 4ª, 5ª e 6ª vitórias têm mais chances de acontecer, quando jogaremos no Maracanã contra o Corinthians, Vasco e Ceará, ou mesmo no Engenhão contra o Botafogo.

    Convém destacar que poderemos empatar uma dessas 4 partidas citadas, e ainda perder para o Grêmio e Palmeiras jogando no reduto deles, que seremos campeões.

    Tudo isto, admitindo-se, como extremo absurdo, que o Palmeiras vença todas a 9 partidas restantes, porque a cada tropeço do Palmeiras a nossa gordura aumentará.

    Sempre Flamengo.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Fala, Aureo.

      Na verdade, jamais algum clube ganhou, no mesmo ano, Libertadores e Brasileiro, nem nos pontos corridos, nem nos mata-matas. Quem conseguiu isso foi o Santos de Pelé, mas nos tempos da Taça Brasil e enfrentando apenas dois adversários, Sport e Botafogo. Não dá para contabilizar.

      Sim: conversando ontem com um amigo palmeirense, ele disse não acreditar que, no caso da situação chegar a esse ponto, o Santos jogue pra ganhar contra o Flamengo. Já aconteceu com a gente, em 2009 (devido à rixa entre Grêmio e Internacional), e com o Fluminense, em 2010 (devido à rixa entre Corinthians e Palmeiras). Rivalidade é rivalidade.

      Sim: o Avaí cumprirá tabela. Só que, às vezes, esses jogos dão uma complicada.

      Sim: o Bahia vem caindo e, provavelmente, não terá interesse algum no jogo – tirando o fato de que, como escrevi no post, quem não quer ganhar do time que está jogando o melhor futebol do Brasil?

      Embora eles estejam dando uma sorte danada, também não creio que o Palmeiras consiga vencer todos os seus jogos. No futebol, não existe sorte desse tamanho.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    João Neto 2 semanas ago Responder

    Murtinho, para minha aparente tranquilidade, não assisti ao jogo. Estou em processo de recuperação de cirurgia. A TV do Hospital só pega canal aberto e a internet não sustenta um jogo em sua integralidade. Assisti somente aos melhores e piores momentos do jogo.

    Conforme já venho afirmando, o meu maior receio é quando os reservas são utilizados. Não confio em nenhum deles. A Diretoria está priorizando lExcelência. Por consequência, obrigatóriamente, tem de estudar nomes para o próximo ano. A disputa por posições inexiste no atual momento. É inconcebível em qualquer time que almeja essa qualificação.

    Domingo, o jogo contra o curintia vai ser transmitido em canal aberto. Espero que o time jogue completo. Caso contrário, vou tentar me equilibrar para não cair do leito.

    Rodinei, Vitinho…ninguém merece.

    SRN

    • author avatar
      Aureo Rocha 2 semanas ago Responder

      Caro João Neto,

      estimo o seu pronto restabelecimento.

      SRN!

      • author avatar
        João Neto 2 semanas ago Responder

        Valeu, Aureo!

    • author avatar
      Rasiko 2 semanas ago Responder

      João, que as Deusas te protejam, guardem e acariciem. Fique com Elas. Grande abraço.

      • author avatar
        João Neto 2 semanas ago Responder

        Grato, Mestre.

        • author avatar
          João Neto 2 semanas ago Responder

          Grato, Carlos.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Fala, João.

      Torço para que não tenha sido nada grave e que você se recupere rapidamente.

      (Pô, logo na partida em que o Everton Ribeiro não jogou bulhufas? Francamente!)

      Não há dúvida: para 2020, se quisermos brigar pra valer por Libertadores, Brasileiro e Copa do Brasil, o clube terá que fazer, em relação ao nosso banco de reservas, os mesmos e elogiáveis esforços que fez para montar o time titular. Claro que não vai ter equivalência absoluta, isso é impossível e nem há dinheiro para tal, mas será necessário reduzir o desequilíbrio.

      Abração. SRN. Paz & Amor. E, claro, muita saúde!

  • author avatar
    Carlos Moraes 2 semanas ago Responder

    Não gostei da nossa atuação, pior que a anterior contra o CSA, que já não fora boa.

    Também sou totalmente contrário a atribuir um mau resultado a eventuais erros de arbitragem.
    Neste jogo, nem pensar.
    O árbitro não é bom, o que não é novidade, pois, a exemplo de técnicos (pior, até de jogadores, na comparação com o passado). não há um que preste em terras tupiniquins.
    Mesmo assim, não teve QUALQUER interferência no resultado.
    A suposta falta do Rafael Moura no Filipe Luiz pode ter existido, mas a bola saiu pela linha de fundo.
    Não era lance para VAR, pois o protocolo não permite.
    Não é possível que Sua Senhoria (ops) tivesse bola de cristal que lhe dissesse, bem baixinho – ^não marque nada, pois desse tiro de meta vai sair o gol de empate^.
    Chega de tanto chororô, que é coisa de botafoguense.

    Contra o CSA permitimos mais chances, porém, em contrapartida, produzimos muitas mais que neste jogo.
    A bem da verdade, somente duas, quais sejam – a da bola na trave do Marí e a do Gabigol que permitiu a ÚNICA defesa difícil do bom goleiro Tadeu, desviando para corner, do qual resultaria o nosso primeiro gol.
    Por sinal, fizemos dois gols de bola parada, ambos de cobrança de escanteios, ou seja, NADA produzimos ofensivamente.

    Estou absolutamente tranquilo no que diz respeito ao Brasileirão, ao qual dou enorme importância, mas fiquei pra lá de preocupado com a Libertadores.
    O time, com seus onze sabidos titulares, parece cansado, enquanto os reservas …
    Também não gostei das substituições, sendo que Gerson, nada li a respeito, entrou, com o placar já em 2 x 0, e fez a sua pior apresentação rubronegra.
    Andou em campo, sendo de se convir que Vitinho no lugar de Everton Ribeiro é de se chorar na rampa.

    De toda forma, insuperável mesmo, no quesito ruindade, o próprio, o Ruimdinei.
    Por sinal, não era jogo para se poupar o Rafinha, pois o melhor jogador goiano – e, no caso, da própria partida – é o pontinha Michael, uma espécie de Soteldo do cerrado.
    Fez o que quis do nosso pobre lateral, sendo que, no minuto seguinte ao primeiro gol, quase fez o segundo, roubando a bola como se fosse de uma criança do curso maternal.

    Volto a dizer.
    Não temo a perda do Brasileirão, pois nosso time é superior, apesar de tudo,
    Não diria o mesmo no tocante à Libertadores.

    Inquietas SRN
    FLAMENGO SEMPRE

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Meu querido Carlos Moraes.

      Também não tenho o menor saco com mimimi em relação à arbitragem. Enquanto estávamos passeando no Brasileiro e na Libertadores, amassando Palmeiras, Internacional, Grêmio, Atlético Mineiro, Cruzeiro, Vasco, Fluminense etc., não havia erro de arbitragem que atrapalhasse ou benefício ao Palmeiras que desse jeito.

      Nessa última rodada o número diminuiu um pouco, mas ouvi outro dia (não chequei) que sob o comando de Jorge Jesus o Flamengo fez dezoito pontos a mais que o Palmeiras. Foi só o time começar a vacilar – o que é compreensível num campeonato tão longo e ainda mais quando todo mundo, infelizmente, só quer saber de Libertadores – para começarem as teorias mirabolantes e o mimimi.

      Discordo de você quanto ao lance da falta do Rafael Moura no Filipe Luís. Juiz não tem bola de cristal, ok, mas falta é falta e tem de ser marcada. A ausência de má intenção não nos obriga a ser condescendentes com a ruindade.

      Minha preocupação com o Brasileiro, apesar da vantagem, é que o Palmeiras tem conseguido pontos improváveis. E outra: se somos superiores ao Palmeiras, e somos, o Palmeiras também é superior aos outros – tiremos dessa avaliação o Grêmio, contra quem os dois ainda jogam, e o Athletico Paranaense, contra quem ambos já jogaram. Só que o Palmeiras vem jogando mal e pontuando. Se vacilarmos e começarmos a deixar de pontuar (jogando bem ou mal), corremos riscos.

      Final da Libertadores acho pau a pau, além de ser decisão em um jogo só. O que significa que apostar tudo nisso é rematada burrice.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 2 semanas ago Responder

    Murtinho, eu sou ansioso desde que nasci, acho que meu vagido primal foi um grito de liberdade por estar nove meses trancafiado, desde então não parei, sou movido a ansiedade, depois então que o Flamengo entrou na minha vida então a coisa degringolou, haja Rivotril, não quero saber de porra de vantagem nenhuma, o Flamengo pode estar com trezentos pontos na frente que eu só vou acreditar no campeonato ganho com o último apito do ladrão da vez no último segundo do jogo, portanto, concordo cm o brado vigente da arco-íris e dos rubro-negros de bom senso, ainda não ganhamos porra nenhuma. Mas quando estou posto em sossego no silêncio da minha tumba, olhando o tranquilo Miki entregue à leitura de seus alfarrábios e numa madornazinha gostosa sob o cafuné da Ana, a aranha romântica, fico elucubrando, o Flamengo não está jogando mal coisíssima nenhuma, o que está acontecendo é que está sendo avaliado pelos parâmetros do próprio time e isso só um cego não quer ver, o sarrafo está bem lá em cima, estamos dominando os adversários como de hábito, perdendo nossos incríveis gols feitos, o Gabigol está se especializando cada vez mais,além de artilheiro deve ganhar o troféu Dêivid, como sempre e o Diego Alves ganhando os gols que os caras dizem que perderam, só que desta vez não havia Diego Alves, manjou a sutileza? E vou acabar com esse bosta de corporativismo eu não sou jogador nem discurseiro à moda Diego, o Ribas, “ninguém perdeu, todos nós somos culpados, temos que botar a cabeça no lugar, etc.,etc.”Nada disso, grito em bom som e o eco me responde, quem perdeu o jogo (estou mal acostumado, empatamos) aliás, perderam o jogo foram os nosso goleiros, só isso. Ao cão danado todos a ele, e mais uma vez o cão escolhido foi o Rodney, ele não joga porra nenhuma mesmo, todos sabemos, mas o César, valha-me meu querido Jesusinho, extrapolou, além de fazer aquela lambança toda quando saiu com uso meio mão de pau ( royalties para o Ronaldinho gaúcho) ainda achou por bem dar um bico extemporâneo no adversário, o outro que entrou, quando aquele Michael pegou a bola demorou milênios para fechar o ângulo,parecia uma tartaruga acabada de engolir plástico, duvido que o Diego Alves permitisse isso. Portanto, eu estou calmo mesmo sem Rivotril, quanto ao atual time acho que ainda está bem acima dos outros, mesmo abaixo dele mesmo, agora quanto ao César e seu reserva que vão enfornar um bom robalo ou se ralar nas ostras antes que eu me esqueça.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Grande Xisto!

      Ao contrário, não sou nada ansioso. A não ser nos jogos do Flamengo.

      Concordo que nos acostumamos às apresentações soberbas, sobretudo àquela contra o Grêmio, mas eu acho que o time tem caído muito de produção sem que o jogo esteja definido.

      Não fizemos um bom segundo tempo contra o CSA, estava só um a zero e corremos riscos enormes depois dos trinta minutos. Ou seja: se levássemos o gol de empate, e quase levamos, teríamos pouquíssimo tempo para correr atrás. Contra o Goiás, criamos muito menos oportunidades do que nos habituamos a ver o time fazer – algo facilmente explicado pelas atuações irreconhecíveis de Arrascaeta e Everton Ribeiro. E houve, claro, as falhas individuais que não podem ser desprezadas, porque nessas horas (as tais que separam os homens dos meninos) é que a gente ver quem pode e quem não pode vestir o manto.

      O Flamengo continua, sem dúvida, acima dos outros. Mas se isso não se transformar em pontuação, não adianta nada. O Palmeiras, por exemplo, embora jogando um futebol mequetrefe (a única exceção foi a partida com o São Paulo), está pontuando.

      O jogo com o Corinthians é ótima ocasião para recolocarmos as coisas em seus devidos lugares.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Fernando Amadeo 2 semanas ago Responder

    Prezado Murtinho,
    Os sempre brilhantes títulos dos seus sempre não menos brilhantes comentários, dizem tudo: nada se ganha com pé nas costas.
    Minha leitura do Flamengo nesses dois últimos jogos é que “os caras passaram a acreditar que o Brasileiro estava no papo”. Infelizmente, apesar de todo o profissionalismo que JJ trouxe, a cultura enraizada está se sobressaindo.
    Entretanto, acredito que o sustinho de domingo, seguido do susto de ontem, acordaram os caras. Estou otimista nesse sentido. Vamos ver domingo próximo.
    Quanto a ontem, no meu ponto de vista, além das péssimas performances que você citou, o erro crucial foi a infantilidade do César, semelhante a do Diego Alves na derrota para o Bahia, no turno. A desconcentração provocada em todo o time foi igual. Menos mal que ainda seguramos um ponto,
    Mas vamos ver o lado positivo: concordo com o Muhlenberg que, para o Flamengo, a falta de perrengue é nociva. Perrengues sempre nos tornam mais fortes!
    SRN! Prá cima deles, Flamengo!

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 semanas ago Responder

      Fala, Fernando.

      Valeu pela força.

      Jorge Jesus prega e segue a teoria do “Jogo a Jogo”. Certíssimo. Só que com, contra o Goiás, ficou a impressão de que jogadores e técnico acharam que, com dois a zero, a parada estava definida. Nós, torcedores, podemos pensar assim e depois dizer “caramba, me enganei!”. Os profissionais não podem. Cresci vendo futebol e escutando que dois a zero é um placar traiçoeiro.

      A substituição do Everton Ribeiro pelo Vitinho me pareceu uma demonstração clara da equivocada avaliação de que o jogo estava ganho. No fim das contas, atiramos dois pontos no lixo.

      Quanto ao perrengue, concordo que o Flamengo não vive sem ele. Mas tenho dúvidas quanto a nos deixar mais fortes. Faz um tempão que vivemos às voltas com perrengues e não ganhamos nada, né?

      Abração. SRN. Paz & Amor.

Deixe seu comentário