República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Não joguem como bebemos

Por | 8 de setembro de 2020
Sem Título 2
4 Comments
  • author avatar
    Mauricio Lana Carrilho 3 semanas ago Responder

    Bom demais, Dunlop! Agora, mudando de assunto, por que o Flamengo joga no Maracanã sem torcida, com aquele gramado esculhambado? Não poderia jogar na Gávea, no Ninho do Urubu, num estádio menor onde tivesse menos prejuízo e a buraqueira atrapalhasse menos? Se alguém souber o motivo por favor me dê uma luz.
    SRN

  • author avatar
    The Trooper 3 semanas ago Responder

    Joguem como bebemos = joguem com afinco, entusiasmo, alegria e, se nada der certo, tentem ao menos não fazer vergonha.

    Concordo com a faixa.

    Melhor que aquelas com as palavras “terror”, “fúria”, etc.

    Saudade mesmo é das bandeiras na arquibancada. As nossas maiores organizadas estão (justamente) proibidas de levarem bandeiras e instrumentos, e até de adentrar o estádio, mas o que justifica o torcedor comum não poder mais levar sua bandeira pro estádio? As bandeiras sempre foram a alma e a beleza das arquibancadas do Mengão.

    O Flamengo podia e devia brigar contra mais essa norma estúpida, dentre tantas outras que só servem para tirar o brilho e o encanto do futebol.

  • author avatar

    Marcelão, tendi perfeitamente que a faixa foi apenas um pretexto pra mais uma crônica de beber rezando. Mas permita que eu castigue aqui três faixas da minha predileção.

    Uma delas é da torcida do Botafogo, em momento de protesto que já dura quase 25 anos. O texto sobre o morim dizia o seguinte: “Não há clube que resista a tamanha falta de ambição.” Muito bom, não?

    Outra é da torcida do Santos, quando o time era dirigido pelo fabuloso Adilson Batista, e ele não parava de inventar. O torcedor mandou confeccionar e esticou na arquibancada da Vila Belmiro: “Muito faz quem não estorva. Fora Adilson.” Deu certo. Adilson perdeu mais uma ou duas, dançou, Muricy entrou e o Santos ganhou a Libertadores.

    A terceira é, mais uma vez, da torcida botafoguense. Só que eu não sou trouxa de reproduzir a palhaçadinha neste sacrossanto espaço rubro-negro.

    Braço.

    PS: Amanhã, audiozinho da sorte.

  • author avatar
    Maxwel A.Rodrigues 3 semanas ago Responder

    Como me diverti lendo este texto,parabéns Dunlop pela aula futebolística e etílica.Agora passa a régua e fecha a conta.SRN

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta para Maxwel A.Rodrigues Cancelar resposta