República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Mudou o Paradigma

Por | 12 de abril de 2019
4r87gxykx99sd0z8wa9klxxyr
26 Comments
  • author avatar
    Klayson Abreu 5 dias ago Responder

    Que texto, cara! Realmente excelente. No conteúdo e na forma. SRN

  • author avatar
    Zeus 5 dias ago Responder

    Fora Abel ja’!!!!!
    Esse resultado foi como o do jogo em Ururu, muito, mas muito mentiroso!!!!
    Nosso melhor jogador em campo mais uma vez foi o Diego Alvez, o Cuellar jogou o fino de sempre mas o nosso goleiro nos salvou e muito em momentos cri’ticos do jogo.

    Arao, meu Deus o Arao e’ muito sem nocao da porra toda!!! Ele se atrapalha com jogadores do pro’prio time, nao recompoe, nao marca, lo’gico que vai acertar alguns passes etc mas ele atrapalha muito mais do que ajuda, poderia ser expulso hj mas o Abel gosta de viver perigosamente, manteve ele em campo os 90 minutos. Fora Abel!!!!! Por favor olhem a jogada do gol dos caras, o Arao tb olhou tudinho ali bem de pertinho sem atrapalhar nadinha de nada.
    Por favor olhem os cruzamentos do Rene…… meu Deus, vcs viram o Dodo o que fez ontem pelo time do Cruzeiro? Demos mole demais.
    Fora Abel!!!! O time a cada jogo piora como um time!! Que porra e’ essa? Sou eu o u’nico que vejo isso?
    6×1 Wow !!! O Fla massacrou!!! Porra nenhuma, foi um sufoco do cacete ate’ marcar o quarto gol, ai’ os bolivianos comecaram a pensar na praiana que vao pegar no posto 9 amanha.
    To muito preocupado, time mal treinado, mal mexido (o Diego estava bem!!!) e em decli’nio te’cnico.

    Fora Abel seu tricolor desgracado, o interino dele la’ mexeu melhor no time que ele.

    SRN e FORA ABEL!!!! Esse jogo eu nao comemoro, evidenciou e muito a falta de qualidade do nosso entregador de coletes.

    Zeus

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 6 dias ago Responder

    Arthur, o citado paradigma eu já trago nos meus atordoados neurônios há milênios, quer seja fora, ou embutido, jogo após jogo, campeonato a campeonato, por isso é que eu sofro. Na minha cabeça só pode dar Flamengo, esmagando os inimigos sem dó nem piedade. A foda é, como diria o Garrincha, essa porra desse time nunca combina com o adversário e qualquer timeco me faz suar na alma, enquanto a camisa dos embusteiros se mantém em campo ilesa sem empanar aquele vermelho que tanto preocupou você em pretérita(epa!) crônica. Por mim, esmagaríamos todos os adversários não de 6 a um, mas de 6 a 0. Daí pra cima.

  • author avatar
    FRED K. CHAGAS pau na moleira dos comunas 6 dias ago Responder

    Três lances:

    1- qualquer coisa.
    2- vasco.
    3-fim.

  • author avatar
    Marcos 6 dias ago Responder

    Faço coro com a galera, mesmo com a enfiada de 6, tô preocupado com a zona que tá esse time. A vitória veio, como destacou meistre Arthur, na força gravitacional maior da camisa e no talento fodastico de Arrascaeta e ER7.

  • author avatar
    Marcelo Dunlop 7 dias ago Responder

    O DataPVC informa, mestre Arthur:

    “Só duas vezes, antes dos 6 a 1 sobre o San José, o Flamengo havia conseguido placares mais dilatados na Libertadores. Só contra o Blooming, por 7 a 1, em 1983, e contra o Minervén, por 8 a 2, em 1993.“

    SRN!

  • author avatar
    EDUARDO VIANNA 7 dias ago Responder

    Fui ao Maraca.
    Não vou ficar de rabujice, pois o time ganhou. Mas que o futebol tá feio tá.

    O Olaria de Oruro, como disse o Mestre, com 10 em campo, pegou alguns rebotes na área e fez contra-ataques! É de preoucpar para os jogos mais difíceis, pois a isso se associa a previsibilidade do time, que se desloca pouco e acaba quase sempre suas jogadas com bolas alçadas para a área. O que tem salvado é a qualidade individual dos bons jogadores do elenco atual.

    Saúde e Sorte

  • author avatar
    Aureo Rocha 7 dias ago Responder

    Ando pensando em redigir um prólogo para os meus comentários. Assim, não precisarei constantemente buscar palavras para elogiar o Arthur. Gravo no Word, faço um copicola e resolvo o problema. O cara é foda! Sempre!

    Mas, a verdade é que eu não aceito a ideia de que são favas contadas a classificação do Flamengo, na primeira fase da Libertadores, como muitos imaginam.

    Há dois anos, em seis combinações de resultados possíveis na última rodada, somente um eliminaria o Flamengo. E foi aquele que exatamente aconteceu. Não se esqueçam de que o Flamengo vivia assustado com a “Maldição Elisa Samúdio’. E hoje temos os meninos do ninho…

    Agora, faltam duas rodadas para o término da fase de grupo, mas não tem nada decidido. Portanto, nada de euforia, até porque o time não autoriza.

    Uma derrota para a LDU, dia 24, o abismo ficará apenas a um passo, porque a LDU irá para 7 pontos e pegará a carne assada do grupo em casa, na última rodada, indo para 10 pontos, provavelmente.

    Já o Peñarol enfrentará o San José na altitude. Porém, independentemente do resultado desse jogo, ele jogará a sua classificação contra Flamengo no seu alçapão.

    Portanto, o Flamengo precisará de um empate nas duas últimas rodadas. Tenho receio, todavia, de que mais uma vez o Flamengo não venha a perder a sua classificação “por una cabeça”, mantendo dessa forma o paradigma de suas atuações em Libertadores.

    SRN!

    • author avatar
      Aureo Rocha 7 dias ago Responder

      * “por una cabeza”

  • author avatar
    Guto Borges 7 dias ago Responder

    Belo texto…é bem assim. Ñ queremos menos q seis.

  • author avatar
    Eduardo Leao 7 dias ago Responder

    Hahaha, muito bom Arthur, mas nosso paradigma deve ser a felicidade pós jogo, a torcida permanecer cantando, pulando apesar dos bares não vender mais cerveja …
    Mas logo agora ? Perguntei incrédulo…

  • author avatar
    Ricardo 7 dias ago Responder

    Genial!

  • author avatar
    Eduardo Jardim 7 dias ago Responder

    Discordo do nobre colega que ,em seu comentário, teceu elogios ao Do-rival. Esqueceu-se do passeio que tomamos do Atlético-PR em pleno Maracanã na última rodada? Do-rival nunca mais!!!

  • author avatar
    Jerry Fernandes 7 dias ago Responder

    PARÁdigma vitorioso, que noite. Após o habeas corpus, Abel que tinha que ir pro xilindró por ter mantido Arrasca em cárcere por tanto tempo. Quero aqui saudar o senhor Everton Ribeiro por mais um espetáculo digno de ingressos esgotados e explosão da plateia. Se tivesse uma data extra hoje era casa cheia e certeza de mais um baile de gala. Porém, alguém precisa urgentemente averiguar o que tá acontecendo com o senhorito Léo Duarte. Tem que saber se é namorada, crush, amor platônico, tem alguma coisa afetando esse jovem. Acredito que seja a hora de chamar Rhodolfo ou dar uma moral pro nosso menino Thuler. No mais obrigado por me apresentar o livro e pelas palavras!

  • author avatar
    BERNARD FERNANDES 7 dias ago Responder

    S E I S T O U !

    É dia de contar vantagem para a arcoirizada, como se golear o San José fosse o mesmo que ganhar do Boca na La Bombonera.

    Ooo Eee bota o Arrascaeta nessa porra! Ooo Eee bota o Arrascaeta nessa porra!

    SRN

  • author avatar
    Marco Gama 7 dias ago Responder

    Quatro comentários rápidos:

    1) Arão ainda vai nos foder, tem que sumir do Flamengo, nem no banco pode ficar (como dizia o grande Evaristo de Macedo: o problema de vc ter um jogador ruim no banco é que uma hora vc pode precisar dele). Só lembrando que temos o Ronaldo e um jogador da base (Daniel Cabral) que é um monstro na marcação, além de ter uma bomba nos pés. Já deveria estar treinando com os profissionais faz tempo.
    2) Arrascaeta e ER jogam muita bola, o Diego parece peladeiro perto deles.
    3) Chega logo, Rafinha, pelamordeDeus!
    3) Mais um texto foda.

    SRN.

  • author avatar
    Carlos Moraes 7 dias ago Responder

    Na base da gozação, salve o Arthur !

    Que merda de jogo, evidentemente por culpa do ^Todo Poderoso^ adversário boliviano e, em parte, pelo Abelsatado e a nossa fraquíssima defesa.

    O De Arrascaeta (o craque uruguaio faz questão da nobreza do nome) é um jogador fora de série, pelo que, se o o ^grande (e gordo) técnico^ resolver escalá-lo doravante é possível a conquista de títulos, aí incluído o estadual.

    Agora, não consigo entender como e porque pode ser atribuído o SEXTO gol ao extraordinário Pará.
    Gol contra, dos mais claros e nítidos. Centrou PARA TRÁS, logo impossível não reconhecer a total importância do zagueiro adversário, por sinal o mesmo que fizera um pênalti inacreditável.
    Gols dados de presente, sendo que o João Neto, anteriormente, já observara como os dois primeiros foram obtidos, sem nenhum mérito.

    Ontem, um maluco aqui de Brasília, fez uma reportagem sobre o pobre e infeliz time boliviano.
    Teve paciência suficiente para fazer um levantamento das participações do mesmo em Libertadores, concluindo que, até então, haviam sido VINTE jogos disputados no exterior, com DEZOITO derrotas (só do Santos, em 2008, tomou de SETE a ZERO) e DOIS empates. Em todas as exibições, JAMAIS conseguiu fazer mais que UM gol (logo, igualamos o récorde negativo), o que já era um verdadeiro MILAGRE para suas pretensões.

    Sei que foi gozação, mas nem como paradigma o resultado de ontem serve.

    Esperemos o clássico de domingo.

    SRN
    FLAMENGO SEMPRE

  • author avatar
    DANIEL FESSLER 7 dias ago Responder

    Parabéns pelo texto, Arthur. Só uma correção: o jogo contra o Minerven foi 8×2 (os caras fizeram os 2 gols deles depois dos 40 do segundo tempo).

    SRN

  • author avatar
    João Neto 7 dias ago Responder

    Acho que a minha TV é em preto e branco. Tirando a Vitória e o desempenho do uruguaio que coloriram a partida, o restante foi visto à moda antiga. Na minha racionalidade e rabugice o espetáculo foi digno de uma autêntica pelada.

    No primeiro gol, um frango do goleiro em uma cabeçada despretensiosa. O segundo gol…um chute errado que desviou na canela do beque adversário e entrou vagarosamente. Dois golzinhos de pura sorte. Ao estilo peladeiro. Como de pelada foi o restante do jogo. Sem padrão de jogo, na base do abafa pelo maior número de atuantes.

    E o fraquinho adversário sequer se fechou em defesa. Partiu para o ataque honrando os peladeiros raízes. Desprovido de qualquer padrão tático conseguiu seu intento e apesar de inferior contingente, bagunçou a frágil marcação adversária.

    Em resumo: Uma Vitória de goleada que ao invés de alegrar, nos deixa preocupados quando nos defrontarmos com adversários de melhor poderio.

    Uma pelada de extremo mau gosto.

    SRN

    • author avatar
      Vinícius Fendeler 7 dias ago Responder

      Boa, Arthur! Ficar iludido com esse time é bom pra caralho, vou encher o saco de todo mundo fazendo todas as piadas possíveis e forçadas com tal do “meia dúzia” até o próximo jogo da liberta!

      João Neto de cú é rola!

      SRN

      • author avatar
        João Neto 7 dias ago Responder

        Educação é para poucos.

  • author avatar
    Vitaly Costa e Silva 7 dias ago Responder

    Pô Arthur, tu escreve bem pra cacete e leio todos os textos. Iniciar citando a teoria do Tomas Kuhn foi foda. Mas sinceramente essa vitória de ontem pra mim é um belo motivo pra aumentar o coro de fora Abelão. Depois do primeiro gol e da expulsão do jogador adversário, não era para os caras nem fazerem cosquinha, mas além do gol escroto que tomamos, os caras chegaram outras vezes e com facidade. Além disso, metemos 6 sem padrão de jogo, baita de uma pelada. Arão e Pará protagonizaram uma bela jogada de gol, mas erraram ora cacete, sobretudo o Arão. Qual é o problems desse pupilo do Abelão em dar um passe adequado? Por que ele tanto ha pro lateral desmarcado de um lado e toca para o lateral marcado do outro? Meu receio é esse palerma entregar a rapadura num segundo tempo de mata-mata. Aí não adianta reclamar. PS: Dorival é muito mais técnico do que o Abel. Abel é nível FluminenC.

    • author avatar
      Carlos Moraes 7 dias ago Responder

      De pleno acordo, Vitaly, aproveitando para corrigir o dedo que bateu na tecla vizinha.

      ^mas erraram ora cacete^ = ^mas erraram pra cacete^.

      SRN

  • author avatar
    Hugo Alves 1 semana ago Responder

    Excelente texto Arthur, belamente escrito!
    O pós-jogo do Mengão nunca é o mesmo sem ler seus textos, é como ir no Maraca antigamente e não escutar o radinho ao mesmo tempo.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta para Aureo Rocha Cancelar resposta