República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Há 40 anos, por Rondinelli

Por | 2 de junho de 2020
Geral Maracana Brasileiro 1980
14 Comments
  • author avatar
    Bruno de Paula Fogato 4 meses ago Responder

    Estive neste jogo, como ao anterior contra o Coxa 4×3, assim como estive em outros inúmeros, entre os anos de 77 a 83. Em 80 tinha 10 anos, no dia 2/6, faria 11 anos. No dia seguinte meu tio me disse ‘vc ganhou o presente que nunca mais esquecerá’. Verdade! Fiz 51 anos e este dia ficou marcado na alma. Moro em Petrópolis que hj é perto, mas em 80 era longe do Rio, não havia nem postos de gasolina abertos nos fins de semana, lembra? Este meu tio, Nandi era um craque de bola, que deveria ter sido jogador profissional, acabou ficando pelo Futebol de Salão, como um dos craques dos anos 70 na cidade. Todos que o viram jogar, comentam que o estilo era do Zico, Dominio, arrancada em direção ao gol e ferro, rápido e inteligente. Conseguiu um emprego de vendedor de leite, mas que lhe deu bastante dinheiro na época, não sei como. Mas sei que por isso, fui há muitos jogos e vi o melhor do Flamengo, jogos épicos e que entraram pra história do clube no período. 5×3 no Vasco. 3×0 fogo. Fla3x2 SP de virada em 82. O 2×1 do Ladrilheiro…. e até o do Borrachinha. Vi Zico contra Riva no 1 jogo em 77, mesmo pequeno uma musica guardo até hj, ooô Zico é craque, Rivelino é um coco rsrrsrs. A ingenuidade da época, ainda se cantava que ‘passou,passou um avião e na asa…”’ .
    Mas o Fla 3×2 CAM 2 foi o mais especial dos títulos que vi, mesmo depois de 40 anos. Lembro que pra entrar um dos tios entrou no tumulto da fila e compra de ingressos e voltou por cima dos outros, jogado pra trás pelos que ainda não tinham chegado no guichê. entrei quase flutuando no meio de milhares de pessoas. Eramos em 5, 3 tios 1 primo e eu. Não havia lugares pra ficar e so conseguimos ficar no ultimo degrau da arquibancada. (era um grande vão e as rampas atrás). Assisti ao jogo ajoelhado entre as pernas dos tios, que assim nos protegiam e nos mantemos ali, exatamente na transversal da direção em quem Nunes irrompeu pela área. Lembro do lance até hj , ele na minha diagonal driblando e ficando de cara com o gol, o chute meio de lado, meio de bico, mas gol, gol inesquecível. Gol que revejo e tenho na memoria como um filme marcado pra sempre. (choro)
    Nunca tinha escrito sobre isso, tantas lembranças vieram dos melhores anos da infância e inicio da juventude.
    Só um detalhe queria rever e tenho uma opinião que distoa de todos que já ouvi ou li. Reinaldo não estava machucado, não machucou no jogo. Ele já tinha histórico de se valer das várias contusoes que sentia e ficava de migué. Se virem novamente o jogo ele, num lance de canto, sente uma dor, poe a mão na coxa, mas continua em campo. O empate dava o titulo ao galo, ele continua, tem outra oportunidade, ve q não chega, dá mais um migué. Mas na hora do lance do gol ele surpreendentemente, corre da lateral até o centro da área, onde ninguem se preocupou com ele, ele corre, chega e toca para o gol. Corre, punho cerrado comemora o gol e nehum sinal de dor ou desconforto. Na outra jogada ai arruma confusão e é expulso, ai sente a ‘dor’ novamente. Migué. E depois desse lance mais a confusao depois, mais a cotovelada do palhinha no jogo anterior, tudo isso começou a grande rivalidade com o galo até hj.

  • author avatar
    Muhlenberg 4 meses ago Responder

    Mauricio Neves é foda.

  • author avatar
    Roberto Fla 5 meses ago Responder

    Obrigado pela crônica. Assisti alguns jogos deste campeonato no Maracanã, com meu tio rubro negro. Na final, ele conseguiu somente um ingresso e tive que ficar em casa, ouvindo pela rádio nacional. Emocionante a lembrança. O choro, as gozações e a alegria de ser rubro negro.

    Abraços e SRN

  • author avatar
    Ricardo 5 meses ago Responder

    Mais um ladrilho bem colocado!

  • author avatar
    Rasiko 5 meses ago Responder

    É LAMENTÁVEL E DECEPCIONANTE CONSTATAR QUE FIGURAS PÚBLICAS COMO OS EX-JOGADORES DO FLAMENGO, ESPECIALMENTE JÚNIOR, ADÍLIO, ANDRADE, MOZER (TODOS N E G R O S), ZICO, LEANDRO, JÚLIO CÉSAR E OS DO ELENCO ATUAL SE MANTENHAM CALADOS E OMISSOS DIANTE DO RACISMO ASSASSINO CONTRA OS NEGROS.

    ENQUANTO ISSO, VIDAS SÃO ARRASADAS SEM DÓ NEM PIEDADE E ZICO CONTINUA FAZENDO SEUS VÍDEOS PATÉTICOS ONDE 10 ENTRE 10 ENTREVISTADOS BABAM SEU OVO E ELE SE COMPORTA COMO SE O MUNDO SE RESUMISSE A SUA BOLHA MINÚSCULA E NADA LHE ATINGISSE. MAS O QUE ESPERAR DE ALGUÉM QUE SE REFERE A DEUS COMO “O HOMEM LÁ EM CIMA”? JOGADOR DE FUTEBOL TEM O CÉREBRO NO PÉ. QUE FALTA FAZ UM SÓCRATES OU UM LEBRON JAMES!

    DE ÍDOLO(S) PASSEI A TER NOJO E DESPREZO, A ELES E A TODOS QUE ASSIM SE COMPORTAM.

    É A ASQUEROSA MAIORIA SILENCIOSA, QUE NO SEU SILÊNCIO COVARDE ENDOSSA O BARBARISMO.

    MAS O BUMERANGUE VAI E VOLTA NA MESMA VELOCIDADE.

    • author avatar
      CARLOS MORAES 5 meses ago Responder

      Meu amigo Rasiko,

      compreendo perfeitamente a sua reação, mesmo que a considere um tanto ou quanto exagerada.
      Já tinha ficado indignado com os nossos jogadores que nada (ou quase nada) doaram e ainda fizeram exigências quando da redução salarial, ao passo que, na Europa, os grandes craques – Messi e Cristiano Ronaldo à frente – disponizaram milhões de euros para amenizar os impactos da Coronavid.
      Agora, a apatia quase total diante do brutal assassinato em Minessota.
      Não sei explicar o porquê, na verdade generalizado.
      Se pensarmos na mesma apatia generalizada pela morte do menino João Pedro, brutalmente executado pela PM, que passou em branco, a nossa indignação só se acentua.
      Das autoridades NADA se pode esperar, pois preferem discutir se uma tal de cloroquina é eficiente ou não, pois, afinal de contas, para um gripezinha, seria mais do que suficiente, em que pese os 35 mil mortos, mais do que os prometidos 30 mil em declaração já perdida na poeira dos tempos.
      Para mim, bastaria uma só palavra.
      DECEPCIONANTE.

      Fraternas SRN
      FLAMENGO SEMPRE

      • author avatar
        Rasiko 4 meses ago Responder

        Meu bom amigo Carlos, não sei o que vc quer dizer com “reação exagerada”. É uma indignação que não quero nem consigo conter por constatar a apatia generalizada diante do genocídio escancarado, não só de negros, mas de todos os que não se enquadram nos padrões exigidos pela elite branca, com menção especial pros indígenas, daqui, Estados Unidos, Austrália, México, onde eles existirem. Como nunca fui omisso, nem mesmo em situações que aparentemente não me dizem respeito – e isso já me trouxe inúmeros problemas, inclusive prisões -, fico profundamente revoltado com os avestruzes e adoradores do próprio umbigo. No frigir dos ovos são eles que sustentam, através de uma covardia sistemática, essa sociedade doente.

        • author avatar
          CARLOS MORAES 4 meses ago Responder

          Esclarecendo, mesmo que com muito atraso.

          Com sinceridade, nojo e desprezo não tenho.
          Recrimino o silêncio, mas sinto dificuldade em deixar de lado um ídolo.

          Fratenas SRN
          FLAMENGO SEMPRE

  • author avatar
    CARLOS MORAES 5 meses ago Responder

    Uma linda – e super detalhada – crônica para um jogo inesquecível.

    É um verdade histórica – a primeira vez jamais é esquecida.
    Muito mais velho, já tivera outra na minha vida flamenguista.
    Ainda escreverei – vã ilusão – a respeito do TRI, não sei se o de 1944, que mal assisti (seis anos, apenas) e o de 1955, conquistado em abril do ano seguinte, fato absolutamente normal do eternamente confuso, posto que genial, futebol brasileiro, carioca em especial.

    Afastando-me do tema.
    Só pode ser a pandemia e digo por mim.
    Escrevo já no dia 5, para um artigo emocionante do dia 2.
    O futebol – e junto com ele a RP&A – ficou de lado.
    A preocupação com a saúde vem na frente,
    Não posso mentir. Também a Política, que virou um pandemônio. Pelo menos atenua a chateação da minha prisão domiciliar sem tornozeleira. Nunca pensei que ficasse o dia inteiro vendo e ouvindo a Globo News.
    Somente isso pode justificar que até agora não exista um só comentário, embora possa ter ocorrido uma preguiça do ^paginador^.

    Vamos em frente, que os loucos estão soltos.

    Preocupadas SRN
    FLAMENGO SEMPRE

  • author avatar
    Dieguito Maradona 5 meses ago Responder

    Maravilha de relato !!

    Clap Clap Clap

    Meeeeeengoooo

  • author avatar
    Passos 5 meses ago Responder

    Caro Maurício, sou de 76 e não me recordo de 80. No entanto, uma das lembranças mais marcantes da minha infância era o ritual dominical com meu pai, vascaíno, para ouvir o Enquanto a Bola não Rola na Globo, em ondas curtas, e depois os jogos na Tupi, Nacional ou na própria Globo, no Motobrás 6 faixas. Inesquecível também a tortura chinesa imposta pelos caprichos da ionosfera: quando ia chegando a noitinha, as ondas curtas definhavam, até virarem um fiapo, mas o sinal das ondas médias ainda não era muito estável, obrigando-nos a um vaivém de doido. Às margens do Rio Grande, no sopé da Serra da Canastra, também sofríamos muito. Fiquei emocionado com sua crônica. Um forte abraço e fraternas saudações rubro-negras!

    • author avatar
      Maxwel A.Rodrigues 5 meses ago Responder

      Olá caro Passos,fiquei feliz em saber que aqui no RP&A encontrei um quase vizinho da região de Furnas.Sou de Campo Belo,mas moro atualmente em Arcos e até uns anos atrás sempre que podia passava os fins-de-semana nas margens do grande mar de Minas.SRN

  • author avatar
    Maxwel A.Rodrigues 5 meses ago Responder

    Parabéns pelo belíssimo texto.Me fez lembrar da minha infância/adolescência,no fim dos anos 80 e começo dos 90,onde eu com meu radinho de pilha ficava a trocar de estações quando uma saia temporariamente do ar,por causa do sinal fraco,eu também moro longe do Rio e por estas bandas só conseguia pegar as rádios grandes á partir das 18:00.Quantas e quantas vezes,na melhor ou na pior hora,era um desespero só quando o sinal sumia e eu ficava sem saber do desenrolo da jogada de perigo a favor ou contra a gente.

  • author avatar
    chacal 5 meses ago Responder

    eu estava lá no maracanã ….foi incrivel poder viver aquela final.
    na minha opinião foi o jogo mais importante da historia do mengão por tudo que cercava aquele jogo.
    era o primeiro titulo nacional e depois desse veio tudo a reboque,libertadores e mundial.

    SRN !

Deixe seu comentário