República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

E no gramado o show foi ainda maior.

Por | 2 de setembro de 2019
Luzes 2Form
30 Comments
  • author avatar
    Eduardo Vianna 2 meses ago Responder

    Titulo perfeito.
    Fui ao Maraca. Jogo perfeito. Também a luta incessante do Flamengo pela bola, enquanto o adversário esperava o jogo acabar.
    Posso afirmar que de desde o Fla de 1987 não via um time tão bom e equilibrado.

    Saúde e Sorte.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Fala, Eduardo.

      Exatamente. Faz mais de trinta anos. E naquele time, com exceção de Andrade (excelente) e Aílton (bom jogador), os outros nove chegaram com brilho à seleção brasileira, numa época em que a seleção brasileira ainda nos interessava e nos orgulhava. Zé Carlos, Jorginho, Leandro, Edinho, Leonardo, Zinho, Renato Gaúcho, Bebeto, Zico.

      Comparar o time atual com o de 80/81 é exagero, mas poder fazer o mesmo em relação ao de 87 já é motivo de enorme honra.

      Tomara que esses caras ganhem ao menos um título importante esse ano, porque estão merecendo. E nós também.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Carlos Moraes 2 meses ago Responder

    Quanto ao jogo, basta reportar-me ao título do excelente artigo.

    ^E no gramado o show foi ainda maior^.

    Está dito tudo.
    O espetáculo da torcida, que sempre é muito bonito posto que secundário, perdeu de longe da demonstração dada pelos jogadores em campo.
    Falta um dado, fora do gramado, mas bem pertinho.
    Jorge Jesus, o Mister.
    Realmente, revolucionou o futebol rubro-negro e mais ainda, mesmo que indiretamente, o futebol brasileiro.

    Vou roubar, uma vez mais, uma colocação perfeita do Bill Duba.
    Futebol brasileiro 3 x 0 futebol tupiniquim.

    O Flamengo, com o Mister, passou a jogar o verdadeiro futebol brasileiro.
    Em decorrência, podemos aproveitar a excelente idéia do Chacal.

    1981 e 2019.
    Para começo de conversa, concordo 100% com o time escolhido pelo Chacal.
    Uma só dúvida, que poucos admitiriam.
    TITA.
    Gostava muito do talento especial deste jogador, mais tarde extremamente injustiçado pela torcida.
    Ele não pediu para o Zico ser vendido.

    Por outro lado, ainda no comentário ao artigo anterior do nosso querido Murtinho, já fiz ver a ENORME DIFERENÇA que existe entre um e outro time.
    Da água para o vinho não se pode dizer. Do vinho para o vinho, tinto ou branco, dependendo de quem goste mais daquele do que deste.

    !981, um time formado ^com base na base^, por longos anos, desde o meio dos anos 70, um pouco mais talvez.
    2019, um time de estrelas, formado em … 2019.

    Parece-me que o time titular passou a ser exatamente este que começou a partida contra o Palmeiras.
    Sem tirar nem por.
    Três jogadores remanescentes da gestão Bandeira. Diego Alves, Willian Arão e Everton Ribeiro.
    Todos os três jogadores calejados, dois deles voltando do exterior.
    No início do ano, chegaram Rodrigo Caio, De Arrascaeta, Bruno Henrique e Gabigol.
    Bem novos os três últimos, mas muito experimentados todos eles.
    Mais impressionante ainda.
    No meio do ano, além do Mister, o Mágico, os outros quatro, todos vindos do exterior, um deles até mesmo estrangeiro.
    Rafinha, Pablo Marí, Filipe Luís e Gerson.
    Os laterais veteranos, os outros dois bem ao contrário.

    Consequentemente, não vejo como estabelecer uma comparação.
    Um time feito por craques que o Flamengo fazia em casa, o outro formado por jogadores experimentados, muitos até no exterior.

    Creio, firmemente, que este atual time será campeão brasileiro, com muitas chances de ganhar a Libertadores.
    O Mundial, mais difícil.
    Há que se aguardar, no entanto.
    Tenhamos paciência.

    De qualquer forma, independemente de títulos, fico, pelo menos por ora, com o time de 81.
    Afinal de contas. ZICO é Deus ou não.

    Alegres SRN
    FLAMENGO SEMPRE

    PS – dei a mão à palmatória e aplaudi a nossa atual Diretoria pela contratação, em curto período, de oito excelentes jogadores, além do garoto do Bangu.
    Não mudo, no entanto, a minha opinião, no tocante ao ^massacre do Ninho^.
    Posição assumida foi repugnante e deplorável.

    • author avatar
      chacal 2 meses ago Responder

      meu amigo carlos moraes, a brincadeira é escolher o melhor de cada posição ,o time todos vão votar no de 81,obivio !

      SRN !

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Meu amigo Carlos Moraes.

      Bill Duba é gênio. Pena que o sem-vergonha não ande muito animado para aparecer por aqui – o que neste momento é compreensível, pois deve estar às voltas com as ameaças de Dorian. Torcer para que nada aconteça.

      Time por time, claro que ainda não dá para comparar, e nem sei se será possível fazer isso algum dia. Mas creio que o que o Chacal propôs foi uma comparação individual. E a conclusão a que ele chegou é bem interessante, sobretudo por deixar evidente a força do nosso atual ataque.

      No mais, vamos saborear o momento, tão raro nos últimos trinta anos.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Bernard Fernandes 2 meses ago Responder

    O lance do primeiro parágrafo é realmente o emblema de um time que não se dá por satisfeito.

    Na linha disso, em entrevista pós jogo, Rafinha disse que o time precisava melhorar em tudo. O time que goleou com facilidade o seu maior rival nas finanças e elenco no Brasil…

    Vivemos outro tempo no Flamengo, e esse novo momento é muito bom!

    Testemunhei mais essa partida do estádio, e o ar de festa se mistura com o de incredulidade da torcida que há pouco convivia com mediocridade do futebol brasileiro. É incrível ver um time dessa qualidade ser liderado por um técnico corajoso e competente como é o JJ.

    Nasci em 84 e me lembro de futebol a partir de 92, quando meus pais me deram o prazer de acompanhar o título brasileiro no Maracanã. Então, em resposta ao que vc cogitou no segundo parágrafo, posso confirmar que esse é o melhor time que vi do Flamengo.

    Torço muito para que esse momento se prolongue no tempo e o time fique marcado no clube como um dos mais vencedores de sua história. São jogadores em sua maioria jovens e com contrato longo, tendo o Flamengo dinheiro para mantê-los se quiser. Além disso, o JJ se mostra muito motivado e com todo o gás para trabalhar.

    Mas esse caminho é bem longo, e só estamos no início dele. Precisamos ter consciência disso.

    SRN

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Fala, Bernard.

      Excelente comentário.

      Não cheguei a ver essa entrevista do Rafinha, mas pelo que você escreveu ela chega a ser ainda mais emblemática do que o lance que usei para abir o post.

      Fundamental destacar o que você colocou: o Palmeiras é, hoje, o nosso maior rival em finanças e elenco. O que só torna a vitória e a exibição ainda mais importantes.

      Sim, o caminho é longo e estamos ainda no começo. Mas há muitos anos não temos tantos motivos concretos para nos entusiasmar.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 2 meses ago Responder

    Pelo que eu vejo aqui nos comentários entramos num obaoba incontrolável ( o qual me incluo), olha aí mulambada, vem aí um tal de Avaí que pra variarar já nos causou algum tropeço, aliás, qual desses timecos o Flamengo não fez o nome, por isso, há que esmagá-los, senão não tem título porra nenhuma.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Grande Xisto!

      É isso aí.

      Como diria o tricolor Evandro Mesquita, tá tudo muito bom, tudo muito bem, mas não podemos marcar bobeira.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Fernando Amadeo 2 meses ago Responder

    Prezado Murtinho,
    Que foto linda! Faz jus ao texto.
    O lance emblemático que você cita no primeiro parágrafo vejo como o retrato do profissionalismo do nosso Flamengo, implantado pelo JJ.
    Esse profissionalismo, aliado ao talento dos jogadores, à disciplina tática, a raça e disposição em campo, nos faz sonhar, com os pés no chão. E sonhar alto. JJ e sua Equipe estão de parabéns. São mesmo diferenciados.
    Que espetáculo ontem. Concordo com o Ricardo Carvalho: a melhor apresentação do Flamengo no século XXI. E ainda com muito espaço para crescer. É para sonhar, Murtinho. A lembrança de 81 vem com tudo.
    Sabemos que por enquanto nada ganhamos, que agora somos o time a ser batido, que ainda apresentamos algumas deficiências, que as dificuldades crescerão em escala logarítmica, mas estamos todos cientes que o oba-oba tem que ser deixado bem longe. JJ, jogadores e Diretoria nos passam que também pensam assim. Isso é bom.
    Agora o que conta é nos deliciarmos com as contundentes apresentações do nosso Flamengo sendo Flamengo. Não tem preço!
    SRN! Pra cima deles, Flamengo!

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Fala, Fernando.

      Rapaz! E se eu te disser que a foto foi tirada pelo pior fotógrafo do mundo (eu), com um celular pra lá de vagabundo, e da tela da tevê? É porque a reação da torcida estava mesmo muito bonita.

      Eu acho que está todo mundo fazendo – e fazendo muito bem – a parte que lhe cabe. Por isso as coisas estão funcionando. Repito o que escrevi na resposta ao comentário do João Neto:

      “A empolgação e o entusiasmo fazem parte da função do torcedor. Cabe ao treinador refreá-los e aos jogadores a sincera compreensão do tão batido (embora verdadeiro) ‘ainda não ganhamos nada’. Por outro lado, não dá pra querer que os caras já tenham conquistado campeonatos que estão longe de acabar.”

      O grande lance é continuar nessa pegada.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 2 meses ago Responder

    Murtinho, o Felipão acaba de dançar, não sei se jogador tem força até mesmo inconsciente para tirar técnico, mas no jogo de ontem, embora o Flamengo estivesse irresistível, os caras do porco pareciam que estavam com saco cheio de jogar aquele futebol primitivo, me lembrou o nosso Flamengo no tempo do Abel Braga, aquela apatia com quase a maioria desses jogadores era altamente suspeita. Não sei se isso não passa de imaginação minha, mas parece que os próprios jogadores brasileiros estão de saco cheio com esse tipo de futebol, se se pode chamar essa mesmice defensiva de futebol, que nossos professores estão impondo, parece que os caras querem se libertar desses grilhões. Se for assim, acho uma boa ideia a mensagem que passam: ” se esses farsantes não mudam, mudemos nós”

    • author avatar
      Bia Rago 2 meses ago Responder

      Queria acreditar nisso, mas ouvindo as bobagens do Felipe Melo depois do jogo é melhor ir me iludir com outra coisa. O problema do Palmeiras em 2019 foi que montaram um time com a cara do técnico que escolheram. Pelo menos foram coerentes…

      • author avatar
        Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

        Minha querida Bia,

        Eu não ouvi o que Felipe Melo falou depois do jogo. “Ousadura” de novo?

        Concordo com você: já vi muito técnico ser derrubado pelos jogadores, mas não pelo fato de eles ansiarem por um estilo de jogo mais moderno. Creio que isso não existe. E Felipão tem aquela coisa de paizão, controlador de vestiário, essas baboseiras.

        Quando os dirigentes do futebol brasileiro vão aprender que, antes de discursos motivacionais, corporativismos e coisas afins, o que um treinador precisa fazer é treinar bem o seu time? Olha o tempo que o Flamengo desperdiçou, esse ano, com Abel.

        E se os jogadores não queriam mais o estilo de jogo do Felipão, agora terão o estilo de jogo do Mano. Pode ser que eu me engane, mas não vi grandes vantagens.

        Beijo grande. Paz & Amor.

      • author avatar
        chacal 2 meses ago Responder

        PALMEIRAS NÃO TEM MUNDIAL,NÃO TEM COPINHA,NÃO TEM MUNDIAL

        SRN !

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Grande Xisto!

      Respondi em cima da resposta da Bia ao seu comentário. Por favor, dá uma olhada lá.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Marcos 2 meses ago Responder

    Desse ano não passa, Murtinho! Chegou a hora! SRN

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Deus te ouça, meu bom Marcos. Deus te ouça.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    RICARDO CARVALHO 2 meses ago Responder

    Murtinho, foi covardia. O Flamengo não deu chance alguma pros porcos e se não tira o pé depois do terceiro gol seria uma goleada histórica. Da gosto ver esse time jogar. Na minha opinião o melhor jogo do Flamengo no século XXI (nunca vou esquecer os times horríveis que nos representaram todos esses anos, o de 2009 é a exceção).
    SRN

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Fala, Ricardo.

      Exato. E é muito importante a gente levar em conta, independentemente do momento e da fase, que o adversário tem um elenco recheadíssimo, cheio de opções.

      Até a semana passada, vi várias pessoas falando: tá legal, tá bacana, mas eu quero ver mesmo é quando o Flamengo pegar o Inter pela Libertadores e encarar o Palmeiras no Brasileiro. Aí está.

      Considerar o tamanho do adversário é fundamental na hora em que a gente avalia o melhor jogo, o gol mais bonito, etc. Lembro o quanto eu ficava contrariado quando alguém comparava um gol do Messi (de quem sou fãzaço) feito contra o Getafe, na décima rodada do Campeonato Espanhol, com o gol do Maradona feito contra a Inglaterra nas quartas de final da Copa do Mundo. Não dá, né?

      Palmeiras é Palmeiras. Campeão Brasileiro, dinheiro saindo pelo ladrão, elenco grande e equilibrado. Concordo: há muito tempo eu não via uma atuação tão consistente e uma vitória tão indiscutível.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    João Neto 2 meses ago Responder

    Murtinho, desprezando os cinco minutos iniciais de jogo, a partida parecia uma disputa entre um time profissional e uma equipe convidada em recreativo, tamanha a superioridade tática e técnica. A combalida equipe adversária assistia à supremacia rubro-negra como um juvenil admirando a desenvoltura do titular. Estavam sem poder de reação. Acredito que após o terceiro gol a equipe deu uma relaxada. Sinal de respeito ao fatigado treinador adversário. Tranquilo.

    A camisa número 8 tem um novo dono. Chegou sem alarde e hoje é peça essencial no meio-campo. Na proteção de bola, lembra Paquetá, o adversário não consegue lhe tirar a posse. O estágio em solo italiano complementou a obediência tática e a maturidade na assimilação de elogios. Fatores a serem assimilados pelo jovem ex-flamenguista.

    A bola parada ainda requer um tanto de cuidado, mas o sistema defensivo melhorou significativamente.

    E pensar que esse time ainda está em formação…

    Passo a passo o time trilha o caminho de vitórias e a real possibilidade de títulos. Qualquer comparação, de momento, são apenas meros entusiasmos.

    Muita calma!

    SRN

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Fala, João.

      Sim, parecia jogo de adultos contra crianças.

      Em vários momentos da partida, deu para perceber o centroavante Luiz Adriano tentando marcar o toque de bola do Flamengo e desistindo, desanimado, como se dissesse: porra, nós não vamos tomar a bola desses caras nunca. Isso se deve à qualidade dos jogadores e, sobretudo, à movimentação incessante. Só um exemplo: Bruno Henrique participou do primeiro gol quando estava bem aberto pela esquerda e fez toda a jogada do segundo numa arrancada do meio para a direita. É muito difícil, para qualquer sistema defensivo, marcar isso.

      Gerson, pra mim, foi o melhor em campo. E perceba a gravidade dessa avaliação: o cara foi o melhor em campo, numa partida em que tiveram atuações espetaculares o Rafinha, o Filipe Luís (Dudu, considerado o melhor jogador do campeonato brasileiro no ano passado, não viu a cor da bola), o Everton Ribeiro, o Arrascaeta, o Gabriel e o Bruno Henrique.

      Eu tenho a sensação de que bola parada nunca vai deixar de ser um problema. Não tem como solucionar, será sempre um perigo e um risco. A melhor saída é tomar muito cuidado para não cometer faltas desnecessárias a partir do meio-campo. Falta que precisa ser feita, é feita, não tem jeito, é do jogo. Agora, faltinhas bobas, que proporcionam ao adversário chances que ele não consegue criar com a bola rolando, essas têm de ser evitadas.

      A empolgação e o entusiasmo fazem parte da função do torcedor. Cabe ao treinador refreá-los e aos jogadores a sincera compreensão do tão batido (embora verdadeiro) “ainda não ganhamos nada”. Por outro lado, não dá pra querer que os caras já tenham conquistado campeonatos que estão longe de acabar.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    chacal 2 meses ago Responder

    time de 81

    Raul
    leandro
    mozer
    marinho
    junior
    andrade
    adilio
    tita
    zico
    lico
    nunes

    time de 19

    Daniel alves
    Rafinha
    rodrigo caio
    pablo mari
    felipe luiz
    Gerson
    arão
    arrascaeda
    everton ribeiro
    bruno henrique
    gabigol

    meus escolidos…..

    Diego alves
    leandro
    mozer
    pablo mari
    junior
    andrade
    adilio
    zico
    arrascaeda
    bruno henrique
    gabigol

    tecnico o mister

    • author avatar
      chacal 2 meses ago Responder

      QUERO VER FAZER MELHOR !

      SRN !

      • author avatar
        Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

        Chacal, ficou bem equilibrado.

        Eu colocaria Raul no lugar do Diego Alves. Tenho mais confiança no Rodrigo Caio do que no Pablo Marí. E, lá na frente, ainda não me decidi. Talvez eu pensasse num outro jeito de jogar.

        Mas não se discute que você montou um timaço da porra.

        Abração. SRN. Paz & Amor.

        • author avatar
          chacal 2 meses ago Responder

          Raul no lugar do Diego alves,não,não,não!
          Diego alves pegador de penaltys…
          agora a troca de rodrigo caio pelo mari vc está certissimo !
          lá na frente tá show de bola o ataque.

          SRN !

          • author avatar
            Jorge Murtinho 2 meses ago

            Rapaz, tem uma defesa do Raul que é um marco na vida do Flamengo.

            O que Ruy Castro fala sobre o gol de Rondinelli, eu falo sobre essa defesa do Raul.

            Mineirão, primeira partida da decisão do Campeonato Brasileiro de 1980. O Atlético Mineiro vencia por um a zero, gol do extraordinário Reinaldo. Os caras fizeram uma jogada pela esquerda, Reinaldo foi lançado e ficou frente a frente com Raul, quase na pequena área. Nosso goleiro saiu abafando, diminuiu o ângulo e, quando Reinaldo tocou, defendeu.

            Se o Atlético Mineiro fecha aquele jogo com dois a zero, dificilmente conseguiríamos o título. O time deles também era bom pra cacete. Reinaldo, Cerezo, Palhinha, Éder, Luisinho, Osmar, timaço.

            Acho Diego Alves bom goleiro, mas ele tem mostrado uma certa instabilidade. Sou mais o Raul.

            Abração. SRN. Paz & Amor.

          • author avatar
            chacal 2 meses ago

            se o Diego alves não pega o penalty contra o emelec,tchau,tchau

            SRN !

  • author avatar
    chacal 2 meses ago Responder

    murtinho,

    que tal fazermos o desafio entre o time de 81 e o atual?
    acho que muita gente pode se surpreender….

    vou preparar o meu e depois volto .

    SRN !

    • author avatar
      Jorge Murtinho 2 meses ago Responder

      Fala, Chacal.

      Então, rapaz, esse negócio de comparar jogador com jogador é divertido, mas também é complicado.

      Não sei bem aonde foi, mas outro dia li, numa rede social qualquer, um flamenguista reclamando que os integrantes de um determinado programa esportivo tinham comparado os times do Flamengo e do Inter, e chegaram à conclusão de que o D’Alessandro era melhor que o Arrascaeta. Cada um come o que gosta.

      Nas primeiras linhas do post publicado depois do jogo com o Inter, no Maracanã (dois a zero pra nós), lembrei que em 2000 o Flamengo montou um time que tinha Adriano, Alex, Athirson, Denílson, Edílson, Gamarra, Juan, Júlio César e Petkovic. Não deu em nada.

      Apesar do gigantesco talento de caras feito Zico, Leandro, Adílio, etc., o grande lance daquele time – tanto quanto o de agora – era o desempenho coletivo.

      Mas que a brincadeira é bacana, não resta dúvida.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

Deixe seu comentário