República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Flamengo Com o Cabelim na Régua

Por | 28 de março de 2019
capavirna
23 Comments
  • author avatar
    FRED K. CHAGAS pau na moleira dos comunas 3 meses ago Responder

    viva o 31 de março !!!!!!!

  • author avatar
    Rasiko 3 meses ago Responder

    Espero que tenha ficado claro pro Leomir, aproveitando o inesperado “presente”, que o Arrascaeta no lugar do Diego e o Everton Ribeiro jogando centralizado são as mudanças capazes de criar as hashtags #ficaleomir e #nãotempressaabel.

  • author avatar
    Rasiko 3 meses ago Responder

    Prefiro o texto ao jogo. Provocar gargalhadas só os craques conseguem.

  • author avatar
    Joaquim 3 meses ago Responder

    Comunista filho da puta “comedor de criancinhas” mas que escreve pra caralho. Tem que tirar o chapéu, é o Olavo de Carvalho das histórias flamengas kkkk. SRN, Arthur

    • author avatar
      pedro rocha 3 meses ago Responder

      fdp e comedor de criancinhas, tudo bem, mas comparar ao astrólogo encantador de burros, aí é ofensa demais.

    • author avatar
      Rasiko 3 meses ago Responder

      Ô Joaquim! Que heresia! Não sei qual o time do Olavo, mas na competição pelo melhor contador de história – cada um em sua área – ele não dá nem pra engraxar a chuteira do Arthur, como se dizia nas velhas arquibancadas. Arthur consegue vencer o maior obstáculo pro humorista: fazer rir abordando sempre o mesmo tema sem nunca se repetir. A impressionante capacidade de criar metáforas inteligentes e engraçadas só é comparável ao Tom Robbins, maior escritor norte-americano contemporâneo. O Mula é foda. E rir é, sim, o melhor remédio. Cura qualquer coisa.

      • author avatar
        Rasiko 3 meses ago Responder

        Esqueci de mencionar a gigantesca distância entre a elegância de estilo de um e a maçaroca acadêmica regurgitada pelo outro no melhor estilo “copia e cola”. Olavo de Carvalho pode até ser uma valiosa contribuição intelectual pro país, mas depende de que nível estamos falando e qual queremos atingir. No momento ele não passa de uma criança exibida com o próprio sucesso repentino – e nem tanto – incapaz de negar ter sido mordido pela mosca azul da vaidade, falando em nova política enquanto mantém a estátua de uma santa atrás de si e prega o fortalecimento do cristianismo, ou seja, uma volta a um passado de crimes contra a humanidade, corrupções, execuções, pedofilias, conspirações e assassinatos.

        Se nêgo ao menos se desse ao trabalho de abrir os olhos!

        Pra não dizer que não falei de Flamengo, se há governo, sou contra. Esse parece ser o meu destino inexorável.

        Mal consigo acreditar na cara-de-pau do ex-presidente, Eduardo Banana de Merda, e do atual, Ruimdolfo Landim. O 1º então sumiu de cena totalmente, não foi capaz de assumir nada, como se não fosse com ele. O Landim tirou 15 dias de férias depois de menos de 2 meses de trabalho no meio do imbróglio.

        Esses dois são uns paspalhões.

        Será que só eu entendo que eles são os maiores responsáveis pela tragédia do Ninho e, portanto, devem ser, individualmente,. investigados, processados e punidos e não a instituição Clube de Regatas do Flamengo? Incluindo na punição o bloqueio dos bens materiais.

  • author avatar
    Ricardo 3 meses ago Responder

    Quando a mística rubronegra entra em campo é foda!
    E o jogo nem valia grande coisa…

  • author avatar
    Carlos Moraes 3 meses ago Responder

    Vou fazer justiça.

    O verdadeiro herói da noite de ontem chama-se Abel Braga.
    Não poupo pesadas críticas ao nosso treinero, mas, ontem, ele se superou.
    Não vejo ninguém falar, aí incluído o nosso grande Arthur.
    Abel montou uma tática sensacional e até bastante simples para quebrar a do bom técnico Fernando Diniz.
    Marcação sob pressão, por sinal muito bem executada pelos nossos jogadores.

    Os números não mentem.
    25 desarmes no primeiro tempo, quando, em noventa por cento dos jogos nos seus noventa minutos, não chega sequer a 20.
    O toque de bola tradicional do atual Fluminense foi pro espaço.
    Além dos desarmes, os tricolores passaram a errar um grande número de passes, de modo até infantil.
    As duas grandes chances nossas, ambas desperdiçadas pelo Uribe, resultaram, a bem da verdade, de falhas imperdoáveis dos defensores adversários.

    Aí entrou em ação o Bruno Henrique.
    Tudo mudou na etapa final, pela ridícula e merecidíssima expulsão do jogador, que é bom mas que se mostrou destrambelhado.
    O pau comeu no jogo todo, mas o segundo tempo foi mais do que exagerado.
    O futebol – e qualquer tática – foi para o espaço.
    Pelo menos, nossos jogadores mostraram muita garra, e, uns poucos, elevada técnica, sendo destaque, neste quesito, o Everton Ribeiro, que, não sei o motivo, alterna fabulosas partidas com desempenhos apáticos.

    No fim, a vitória empolgante.

    Emocionadas SRN
    FLAMENGO SEMPRE

    PS – os exageros do Grão Mestre fazem parte – e importante – do seu estilo. Se não apoio, muito me alegram.

  • author avatar
    Felipe 3 meses ago Responder

    Pelamor Arthur faz algo rentável desses seus textos.
    Desde os tempos do globo esporte.com escreve verdadeiras antologias sobre o Flamengo.

    Compila em um livro sei-la. Ou faz um jornal online pago.

    Me sinto mal de ler textos tao bons de graça. Na União soviética era assim?

    • author avatar
      Muhlenberg 3 meses ago Responder

      Isso é musica pros meus ouvidos. Posso te passar o numero da minha conta?

    • author avatar
      Marcos 3 meses ago Responder

      Rapaz, já tem pelo menos uns dois ou três lançados…vê no catálogo da Maquinária

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 3 meses ago Responder

    O Flamengo da velha e esquecida mística esteve ontem (quase) por inteiro em campo. É isso que a torcida quer, perseguir o resultado até o apito final, é tão simples isso, é fuçar as entranhas do adversário, até o jogo encerrar e isso todo rubro-negro gosta e logo transforma o outrora crucificado Renê no maior jogador do mundo, quiça(epa!) da galáxia, quando chegará a vez do Pará?

  • author avatar
    Marco Gama 3 meses ago Responder

    Pqp, esse Muhlenberg merece um Nobel da Literatura Flamenga, espetacular!

    PS: estou até hj esperando os profundos conhecedores de futebol que habitam este humilde espaço ajoelharem no milho e pedirem desculpas por tantas blasfêmias contra esse monstro de jogador que é o Renê. Não é de hj que vem sendo o jogador mais regular, e representante mor da reconhecida (embora meio esquecida nos últimos anos) garra rubro-negra, seguido muito de perto pelo golden boy Rodrigo Caio.

    Quando vc olha pro lado e vê esses caras dando a vida em campo, nem o Arão consegue ficar parado.

    SRN.

  • author avatar
    Marcos Apostolo 3 meses ago Responder

    Grande Arthur, preciso como o chute do Renê. Tirando o chapéu pro Abel que botou a garotada pra mostrar serviço e encurralou o timinho encrenqueiro da dupla sertaneja Luciano & Gabriel. Aquela raça la é FLAMENGO. Bangu até morrer!

  • author avatar
    Maura 3 meses ago Responder

    “Arrisca até ter sido a melhor atuação da esquerda brasileira “.
    Verdade, por que a outra, há muito não mostra a que veio!

  • author avatar
    Vagner BSB-SSA 3 meses ago Responder

    Bananice..

  • author avatar
    Vagner BSB-SSA 3 meses ago Responder

    Metamorfose ambulante…

    Eu quero dizer o oposto do que eu disse antes: o campeonato pode não valer nada, mas o jogo de ontem valeu.

    E valeu porque vimos o espírito rubro-negro ser resgatado das entranhas do conformismo e da babanice.
    Vimos que o tal “espírito diferente” citado algumas vezes pelo Abelão não é lenda. E que os jogadores, independentemente do valor da competição, entra pra ganhar. E, mais importante, ganha.

    Mesmo com uma arbitragem caótica e tendenciosa, que marcava faltas e dava cartão para um lado e ignorava a regra pro outro, o Flamengo conseguiu se impor. E, melhor que isso, se impor com 10 em campo contra os “12” (ou mais, já que a equipe do VAR também jogou contra) do outro lado.

    Eles tentaram ganhar na porrada, já que o juizinho não marcava nada contra eles… não conseguiram.
    Tentaram ganhar na “mão grande” … não conseguiram.
    E, no final, ficaram descontroladas.

    Ou seja, enquanto houve futebol, o Flamengo foi superior.
    Depois que deixou de ser só futebol, o Flamengo foi superior de novo.

    SRN a todos!!!

    • author avatar
      Vagner BSB-SSA 3 meses ago Responder

      Bananice…

  • author avatar
    RODRIGO LORENCINI 3 meses ago Responder

    Arthur, é sabido que tu escreve bem demais, mas esse texto foi acima de sua própria média, que é muito alta, obrigado por nos brindar com essa maravilha!

    • author avatar
      Dieguito Maradona 3 meses ago Responder

      Nada com uma vitória daquelas sobre os tricoletes para inspirar ainda mais o grão-mestre rubro-negro

  • author avatar
    João Neto 3 meses ago Responder

    Como diz um certo redator, em Vitória é melhor deixar quieto. Faz até esquecer a inoperância de um atacante contratado por vídeo de melhores momentos. Mais um pereba estrangeiro. Como diz Muricy Ramalho, “a bola pune”. Quase o jogo ia ser entregue por erros próprios. Quase. O comportamento mudou. Não se sabe se pela ausência do manequim oficial ou pela contagiante atuação do mais regular dos jogadores do plantel. Renê.

    Violência à parte, ontem foi um resgate da Raça há muito esquecida. Até o comedido e preguiçoso Everton Ribeiro mostrou vontade. Talento sempre teve. Com o Top Model fora, jogou em sua posição original. Deu mais ritmo de jogo.

    Foi uma Vitória na Raça. A garotada deu vibração e determinação. Entraram na fogueira. Saíram premiados.

    Que essa partida seja o inicio de uma nova postura do time.

    SRN

  • author avatar
    Sidney 3 meses ago Responder

    RH – Arrascaeta ? Rs

Deixe seu comentário