República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

A mais flamenga de todas as semanas.

Por | 2 de junho de 2019
JJ5Form
35 Comments
  • author avatar
    Carlos Moraes 3 meses ago Responder

    Futebol é um esporte do caralho (desculpem, mas se impõe)

    De papo pro ar, tem assistido – melhor, tenho gostado – a várias partidas do Mundial sub-20.
    Acabou agora o último jogo das oitavas.
    Emocionante, com as óbvias limitações técnicas.
    Nos 90 minutos, Argentina 1 x 1 Mali (foi a seleção campeã da África, na categoria)
    Na prorrogação, com menos de um minuto, mais um gol argentino.
    Não houve mais jogo.
    Bolinha pra lá, bolinha pra cá.
    Ensebação total.
    Como a burrice não é privilégio do Abel, o técnico hermano resolveu, faltando uns oito minutos, substituir o seu melhor jogador, aliás, para mim, o melhor do certame, um tal de Barco, baixinho e com enorme potencial.
    Não aprenderam naquele sulamericano do AAdriano,em que também estavam ganhando de 2 x 1.
    Continuou a cera.
    Aos 121 minutos (o árbitro, corretamente, deu 3 de reposição pela cera), falta a favor de Mali.
    Enquanto os hermanos ensebavam, um jogador africano bateu depressinha, esticando para o pontinha que entrou livre pela direita.
    Pimba na gorduchinha, jogo empatado.
    Vêm os pênaltis.
    Cinco cobranças PERFEITAS dos malinenses (acho que é assim). Nunca,na minha longa vida esportiva, vi tanta categoria em cinco diferentes cobranças. Todas nos cantos altos, quatro no esquerdo e uma no direito.
    Nossos vizinhos perderam uma, apenas, em cinco, eis que batiam primeiro.
    Quem errou,querem saber.
    Exatamente o jogador que entrou no lugar do Barco.

    Melhor aperitivo pra logo mais não poderia haver.
    Só espero que não haja a necessidade de mais pênalties.

    SRN
    FLAMENGO SEMPRE

    PS – não desculpem o Abel portenho. Barco NÃO foi substituído em razão da possibilidade de pênalties (na altura do jogo praticamente impossível). Muito pelo contrário. Na vitória contra a África do Sul (5 x 2), o segundo gol foi de pênalti. Cobrador – Barco.

    • author avatar
      Xisto Beldroegas 3 meses ago Responder

      Pois, Carlos, você trouxe a meus parcos neurônios um jogo que não esqueço, acho que foi esse mesmo, vê se confere. Os caras já estavam com aquele sorriso cretino típico dos hermanos, tocando bolinha junto à lateral na nossa defesa, quando um zagueiro nosso deu um chutão, a bola caiu logo nos pés de quem do nosso Imperador que ainda se deu ao luxo de fazer uma embaixadinha de dois toques e mandou a bomba, acho que no canto esquerdo do goleiro, gol no chamado “ao apagar das luzes” e disputa nos pênaltis. Aí, os caras com as devidas caras de babacas, atônitos, mal conseguiram bater os pênaltis. E ganhamos. Foi esse o jogo?Fomos campeõs? Aí a memória entra em trevas totais.

      • author avatar
        Carlos Moraes 3 meses ago Responder

        Exatamente.

        Também fixei o lance dos toques de ^bolinha Junto à lateral na nossa defesa^.

        E, salvo engano, o jogo aconteceu em Buenos Aires.

        Grande abraço

        PS – essa foto no último artigo do Arthur é de que filme espanhol. Não consigo me lembrar.

    • author avatar
      chacal 3 meses ago Responder

      o torneio em questão era a copa américa.

      SRN !

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 3 meses ago Responder

    Dei uma olhada numa matéria sobre o lançamento de um disco de Alice Caymmi, neta do Dorival, não o Jr, óbvio, e fiquei estarrecido com o que li, e garanto que o grande Caymmi está dando urros e cambalhotas em sua tumba que ao que tudo indica não é vizinha a minha, caceta, quanto sofrimento, quanta angústia, quanta catarse, revolta, bullying, tudo no mais refinado cliché como manda o figurino de então, porra, gravar um disco agora é pior do que aqueles partos complicados, qualquer cantorzinho quando vem vociferar sobre seu trabalho fala tanto, que deixa a gente tonto, é disco mesmo que esse cara vai gravar? vai ter profundezas existenciais assim no inferno. Aí eu fico pensando o Cauby quando ia gravar queria lá saber dessas fosforilações, chegava em frente ao microfone largava o vozeirão, pronto, fim de papo. Isso tudo é pra chegar a mais óbvias das conclusões: tudo que se faz hoje tem que vir cercado de discurso, análise do ” válido, lúcido, e inserido no contexto”, que estou exaurido de tanto engolir sandices, a velhice já me deixa meio surdo ( se bem que é uma surdez seletiva)apesar de tudo não quero ficar cego, pois a leitura voraz é que me mantém atento. Pois é, falta simplicidade, gente, e é assim no futebol, que o Flamengo jogue logo mais o futebol simples, sem vaidades, sem mergulho nas profundezas do imo, do id e do caralho a quatro, entrem em campo e joguem um futebol simples que foi sempre esse o futebol flamengo, o nosso futebol, quase ia dizer que está no nosso DNA, vá lá, no contexto posso até aceitar…

    • author avatar
      RICARDO CARVALHO 3 meses ago Responder

      É isso aí, Xisto!

      Também li essa matéria e achei estranho. A garota reclamando de bullying na infância por ser gordinha (palavra que não usaram na matéria) e da pressão dos coleguinhas por ser neta de Dorival Caymmi…

      Queria ser neta do “Zé das Couves” e sofrer a pressão de ser pobre, morar mal e estudar nas escolas públicas do Rio de Janeiro, sem perspectiva de futuro?

      Além disso, qual seria a possibilidade dela lançar um disco sendo filha do “Zé das Couves”?

      Foda esse negócio de neguinho bem de vida reclamando da vida…

      Que o Mengão faça o simples hoje: 2 x O.

      Abraços e SRN

    • author avatar
      RICARDO CARVALHO 3 meses ago Responder

      Melhor dizendo: branquinha bem de vida reclamando da vida.

  • author avatar
    chacal 3 meses ago Responder

    ouvi dizer que o liverpool está propenso a não disputar o próximo mundial de clubes…
    séra medo de enfrentar o mengão pika das galaxias?
    esse time é uma versão vascaina lá na terra da rainha,não sabem o que é mundial mas,sabem muito bem o que é FLAMENGO.
    outro que está muito bem informado é o tal de jesus,sabe por exemplo que os 4 maiores times do mundo são,flamengo,boca juniors,real madrid e barcelona.

    essa declaração do portuga me deixou bastante feliz.
    apesar dele ser europeu ,sabe muito bem a dimensão do flamengo.
    diferente do último treinador.

    SRN !

    • author avatar
      Carlos Moraes 3 meses ago Responder

      Vou dar um simples palpite.

      Esse português parece-me ser um grande gozador.
      Só faltou incluir o Benfica …

      SRN
      FLAMENGO SEMPRE

    • author avatar
      Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

      Fala, Chacal.

      Claro que a zoeira é pertinente, mas é fato que os europeus não dão a menor bola para esse tal mundial que tanto valorizamos. E o pior é que, ainda assim, quase sempre eles ganham.

      Quanto a Jesus, será que esse cara é mesmo português? Tá me parecendo mais um tremendo carioca gozador, temperado com uma generosa porção de fazedor de média.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Rasiko 3 meses ago Responder

    MAIOR LATERAL-DIREITO DO MUNDO EM TODOS OS TEMPOS. SER HUMANO INIGUALÁVEL DE UMA NOBREZA DE CARÁTER EMOCIONANTE. PARABÉNS A MIM QUE TIVE A HONRA E O PRIVILÉGIO DE VÊ-LO JOGAR E O TENHO COMO ÍDOLO MAIOR AO LADO DO ZICO, OUTRO EXEMPLO DE JOGADOR E CARÁTER. MAS O LEANDRO TORCEDOR NÃO TEM PARALELO. É PURO CORAÇÃO.

    Leandro, no Aqui com Benja.

    https://www.youtube.com/watch?v=F2DwPh72h3U

    srn p&a

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 3 meses ago Responder

    Na nossa mesa redonda pós jogo nos subterrâneos de minha tumba, a qual estou passando uma temporada frustrado com o que se passa aí em cima, e não só pelo Flamengo, frise-se, estava diante de minha aranha, a Ana, a ranha mais inteligente e terna da vida, enquanto Ana acariciava o dorso de minha mão, cantarolando coisas de amor, o Miki, meu rato conselheiro, rato mestre, no dizer do João Neto em outras paradas, falava ( como vocês sabem ele foi batizado assim em homenagem à última grande conquista do nosso querido Mengão);
    – O negócio é a simplicidade, Xisto, viu como o time deslizou em campo, bastou o Fera, o cara é fera mesmo, colocar cada um no seu devido lugar e nem o Arão conseguiu atrapalhar.Esse Fera deve ter ouvido do pai dele o Marco Antônio o que o velho Gentil Cardoso dizia, futebol é deslocamento, quem se desloca, recebe, desmarcado tem preferência, claro como a água.
    -E você acha que o nosso Jesus que está para “chegaire” vai manter isso.
    – Se ele for um bom técnico, claro que sim, nada de esquemas mirabolantes, chuveirinhos, nem pensar, ele deve ser objetivo como o foi seu xará quando fez o seu primeiro milagre.
    -Como assim?
    -Ué, você não sabe não? Cristo quando fez seu primeiro milagre ele o fez num momento constrangedor numa festa de casamento, pois o vinho da casa havia acabado, os bocas livres eram os mesmos de hoje, entornaram tudo rapidinho. Maria então pediu ao filho, vai lá Jesus quebra esse galho, e o nosso Jesus meio contrafeito, calma aí, mulher, minha hora ainda não chegou, mas mesmo assim foi lá e pimba, transformou a água de dois enormes potes em vinho do melhor que já se servira na praça. E os beberrões deitaram e rolaram.
    -Será que essa parábola pode se aplicar no nosso time, pelo Jesus que nos coube?
    -Simples assim, como foi o milagre, é só o nosso Jesus não ficar inventando, botar os caras nas devidas posições, não inventar táticas mirabolantes, não inventar jogador imexível, tipo Arão e achar que Arrascaeta joga melhor do que o Diego. Só isso. E quer saber mesmo minha opinião nisso tudo, esse milagre do vinho não deveria ter acontecido, lugar de Santo, Filho de Deus é ficar em casa rezando e não caindo na gandaia e ainda por cima comparecer só com a mãe, enquanto o pobre do José ficava trabalhando em casa, ganhando o pão de cada dia.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

      Grande Xisto!

      Miki, o rato mestre, tem lhe feito bem.

      Depois do genial comentário lá no texto do Arthur, esse aí também ficou um arraso.

      Abraços pra você e pro Miki, beijo na Ana. Para todos, SRN, Paz & Amor.

  • author avatar
    Carlos Moraes 3 meses ago Responder

    Foi, sem a menor dúvida, uma bela exibição, como ilustram, mais do que tudo, os dois gols marcados, em evolução de vários jogadores, como, por sinal, bem descreveu o Murtinho em seu ^resumão^.

    Concordo, plenamente, que o time cearense, apesar da falta de valores individuais, é bem treinado, ajeitadinho em campo, fator que valoriza a vitória.
    Não é, no entanto, um teste definitivo, como não será, tudo faz crer, a partida contra os gambás, eis que estaremos desfalcados (via FIFA) de dois de nossos melhores jogadores, Cuellar e Arrascaeta (para mim, junto com o Everton Ribeiro, formam o Trio de Ouro rubro-negro do momento).

    Da partida, resultou uma discussão, que exigiria um espaço próprio.
    O tal do VAR.
    Neste jogo, foi devidamente aplaudido e atenuou as críticas.
    Nem tanto as minhas.
    Vivemos a era tecnológica.
    Não é, positivamente, a minha preferida, até pelo contrário.
    A tendência é trágica, mas isto foge, em boa parte, ao mundo do futebol.
    Neste campo, o VAR é o todo-poderoso.
    Sempre fui contra, como também sempre fui em relação às Teorias da Conspiração.
    Não existem, pura e simplesmente.
    Neste aspecto, 99% dos torcedores (de TODOS os clubes) vivem em pecado capital, acreditando em influências externas, seja da CBF ou das Federações estaduais.
    Aqui mesmo, repetem-se as críticas, quase que diariamente, quase sempre alegando que os equívocos de árbitros e bandeirinhas não acontecem pela fraqueza dos mesmos, mas em função de influência externa.
    Uma bobagem sem par.
    Ao que tudo indica, pois se trata de um fenômeno mundial, o VAR chegou para ficar.
    Em assim sendo, temos que aturá-lo.

    Acabou o meu tempo.
    Espero um artigo específico a respeito do tema.

    VARísticas SRN
    FLAMENGO SEMPRE

    • author avatar
      Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

      Meu amigo Carlos Moraes.

      Conforme já disse anteriormente, vou tentar aproveitar a parada da Copa América pra fazer uma postagem específica sobre o VAR e ver se a gente consegue aprofundar o tema aqui. Também tenho um monte de dúvidas.

      Antecipo uma coisa: independentemente de se gostar ou não do recurso, acho que pior do que o VAR é a nova orientação a respeito dos lances de mão. Não vi Liverpool e Tottenham ao vivo (o que a UEFA tinha na cabeça, ao programar a final da Champions League para o mesmo horário de Flamengo e Fortaleza?), torci para o time do Klopp, mas achei o pênalti um absurdo. Lembra do Pelé enroscando o braço no braço do adversário, para dar a impressão de que estava sendo agarrado e o juiz marcar pênalti? O que mais vai se ver agora – exatamente como aconteceu no lance do pênalti cavado por Mane – é jogador habilidoso mirando o braço dos outros. Vai ficar chato.

      Aguardemos a Copa América.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

      • author avatar
        Carlos Moraes 3 meses ago Responder

        Waldemar Carabina, do Palmeiras, a vítima do falso pênalti.

        Aguardemos a Copa América (com ou sem Neymar, indago)

        SRN
        FLAMENGO SEMPRE

      • author avatar
        Aureo Rocha 3 meses ago Responder

        Murtinho, pior do que a nova orientação sobre a questão da bola na mão é a falta de harmonia existente nas arbitragens. O que vale para um não vale para o outro.

        Ontem, o árbitro assinalou um pênalti contra o Grêmio, que deu a vitória do Bahia por 1×0. O jogador do Bahia deu uma porrada na bola em direção ao gol. Geromel estava somente a meio metro de distância do cara, entretanto de braço aberto, aumentando assim a extensão do corpo.

        Essa nova orientação tem como objetivo principal excluir do árbitro a prerrogativa da tal interpretação.

        Entretanto, nada mudou. Os árbitros, e agora o VAR, continuam “interpretando” a favor de alguns clubes.

        SRN!

        • author avatar
          Aureo Rocha 3 meses ago Responder

          A questão é bem simples: se o braço não estiver colado ou próximo ao corpo, e a bola tocar nele, o pênalti deve ser assinalado, independentemente de intenção.

          • author avatar
            Jorge Murtinho 3 meses ago

            Pois é, Aureo. É justamente aí que está o problema.

            Nada me tira da cabeça que o Mané, do Liverpool, chutou aquela bola de propósito no braço do Sissoko, do Tottenham. Ah, mas quem mandou ele estar com o braço aberto? Ora, quem joga com braço colado ao corpo é boneco de totó.

            Se a moda pega – e vai pegar, porque fica fácil para o atacante resolver situações complicadas de jogo -, teremos dúzias de pênaltis por partida. Futebol não é isso.

            Abração. SRN. Paz & Amor.

    • author avatar
      Aureo Rocha 3 meses ago Responder

      Caro Carlos Moraes,
      eu somente gostaria de saber por que não se pode marcar pênalti contra o São Paulo?

      Ontem, um pênalti a favor do Cruzeiro, escandalosamente não assinalado nem pelo árbitro, nem pelo VAR.

      Ocorreu o mesmo fato, no nosso jogo. Hoje deveríamos esta com 15 pontos, apenas um ponto do Palmeiras.

      Pois, assim, de roubo eu roubo, os paulistas vão conquistando o Brasileirão.

      Não pode ser apenas coincidência; a CBF vem sendo comandada por paulistas há um bom tempo.

      Estou contando rodada a rodada, quantos pontos iremos perder por “erro” de arbitragem. Já perdemos dois.

      SRN!

      • author avatar
        Carlos Moraes 3 meses ago Responder

        Há alguns anos atrás, nem me lembro mais se ainda foi nos tempos áureos do Urublog, o Aureo e eu tivemos uma troca de idéias a respeito EXATAMENTE de mão na bola/bola na mão.

        Tenho certeza que foi um lance com o então nosso Emerson Sheik, que, pela ponta esquerda do nosso ataque (na TV atacávamos da esquerda para a direita), chutou deliberadamente (no nosso entendimento) uma bola na mão de um zagueiro adversário, caído, em razão de esforço para cortar a jogada, dentro da grande área.

        Aureo entendia que era pênalti, eu não, exatamente em razão da bola ter sido chutada deliberadamente para tocar na mão do adversário, como veio a acontecer.

        O árbitro, acertadamente, para mim, nada marcou.

        Concordo com o Murtinho. Pareceu-me, apesar de não ter sido tão evidente como no lance do Emerson, chutou a bola no braço do Sissoko. Não daria o pênalti, consequentemente.

        Aí entra o lado humano, que VAR algum pode afastar. O árbitro esloveno, considerado dos melhores do mundo, com uma bagagem internacional enorme, CONSULTOU o VAR e … confirmou a sua marcação.
        Isso tudo, cabe realçar, começando com menos de UM MINUTO de jogo.

        Para mim, talvez mais difícil de ser solucionado que o impedimento, o antigo ^hands^ deveria ter uma regra fixa. Bateu na mão ou no braço, ^hands^. Única exceção – exatamente a bola chutada deliberadamente na direção da mão adversária.
        Eis o busilis. Cabe interpretação. Eu tenho uma, que, no lance da Champions, é idêntica à do Murtinho. Acredito piamente que o Skomina teve outra. Entendeu que o Mané não teve a intenção e sim que o Sissoko indevidamente cortou a trajetória da bola, dentro da grande área.

        Durma-se com um barulho desses.
        Não há saída.
        Uma, por incrível que pareça, das atrações do futebol, que a tecnologia quer abolir e, na íntegra, não conseguirá.

        SRN
        FLAMENGO SEMPRE

        PS – não vi o jogo do São Paulo. Continuo não acreditando em Teorias da Conspiração, como sempre afirmei. Pode haver – certamente há – mumunhas localizadas, como noss tempos do Bangu da família Andrade, entre outros exemplos possíveis.

        • author avatar
          Carlos Moraes 3 meses ago Responder

          Pela pressa, engoli.

          Pareceu-me QUE O MANÉ …

  • author avatar
    João Neto 3 meses ago Responder

    “Pior do que está não pode ficar”. Era o ditado mentalizado pelos torcedores na espera do comportamento do time. Para surpresa geral, houve um ótimo desempenho, com pleno domínio sobre o adversário. Nada de invencionices. Tudo resolvido na simplicidade.

    O grande desafio de momento será contra o Corinthians. Um adversário retranqueiro que sempre dificulta. A paciência e o toque bola deverão prevalecer sobre o infrutífero e manjado chuveiro que apenas consagram a zaga e o goleiro adversário.

    A maior virtude do jogo de sábado foi a de que Diego não foi o protagonista do espetáculo. Ficamos livres de observar emputecidos os seus intermináveis lançamentos a esmo.

    Boa sorte ao novo comandante!

    Parabéns, ao Interino!

    SRN

    • author avatar
      The Trooper 3 meses ago Responder

      Perfeito o comentário sobre o Diego, embora ele ainda insista em querer carimbar todas as bolas, atrasando o time com sua enceradeira atômica.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

      Fala, João.

      Então: eu acho que aquele é um jeito que pode fazer o Diego funcionar. Aproximação e toques curtos. Foi assim que ele participou dos lances dos dois gols. Na hora de enfiar a bola que quebra a defesa adversária, deixa com Everton Ribeiro e Arrascaeta.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Rasiko 3 meses ago Responder

    Globoesporte.com informa: João de Deus (o outro, não aquele) é o auxiliar técnico que Jorge Jesus vai trazer de Portugal.

    Não é por falta de proteção celestial que vamos ficar chupando o dedo (de Deus?)

    srn p&a

    • author avatar
      Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

      Fala, Rasiko.

      Que susto, rapaz! Quando você falou João de Deus, temi pelo futuro do nosso futebol feminino.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Marcos 3 meses ago Responder

    Preciso autenticar em cartório a assinatura no relato, Murtinho? Disse tudo!

    • author avatar
      Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

      Fala, Marcos.

      Obrigado pela moral, mas não precisa não.

      Basta continuar prestigiando o blog e aparecendo nas caixas de comentários.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    The Trooper 3 meses ago Responder

    Ouvi defensores de Abelão por aí dizendo que não se pode atribuir nenhum mérito ao interino pela atuação de ontem, porque não teve tempo pra treinar.

    A diferença do Flamengo de ontem para o de Abel foram, basicamente:

    1) Cobranças de laterais da intermediária não foram lançados na área desde o primeiro minuto de jogo;

    2) O treinador não dava esporro nos atletas quando uma tentativa de triangulação pelos lados do campo não dava certo, fazendo gestos com as mãos dizendo que a bola deveria ter sido chuveirada na área;

    3) Arão guardou mais posição, sem passar o jogo inteiro se mandando tresloucadamente pra dentro da área adversária pra cabecear bola chuveirada, como mandava o Abel, sobrecarregando o Cuellar;

    4) Não voltamos para o segundo tempo recuados para segurar o 1 x 0 e jogar no contra-ataque;

    5) Arrascaeta jogou;

    6) Arrascaeta não foi substituído aos 15 do segundo tempo.

    Os 6 itens enumerados acima são possíveis de serem implementados apenas com papo. E nem precisa ser longo.

    Se esse time fosse bem treinado, bem escalado e bem orientado, podíamos não ser imbatíveis, mas dificilmente teríamos perdido para Penarol, LDU, Inter e Atlético-MG.

    • author avatar
      Aureo Rocha 3 meses ago Responder

      The Trooper,

      todas as suas seis observações retratam a mais pura verdade.

      A que mais me chamou atenção no desenrolar do jogo foi o time não ter recuado para segurar o magro placar de 1×0, como era normal no tempo do Abel. O time, ao contrário, continuou jogando com desenvoltura sempre procurando ampliar o placar.

      E essa mudança de comportamento tático deve-se, com certeza, à saída do Abel, um técnico reconhecidamente covarde e retranqueiro, que não sei por que cargas d’água essa atual diretoria contratou.

      Agora, é aguardar que o português se torne o ai-jesus da torcida, porque sem ela técnico nenhum se sustenta no Flamengo.

      SRN!

      • author avatar
        Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

        Fala, Aureo.

        Por favor, dá uma lida na resposta que dei ao comentário do Trooper. Botei lá um exemplo que reforça o que você disse aí.

        Abração. SRN. Paz & Amor.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

      Fala, Trooper.

      Pois é. Independentemente da força ou da fraqueza do adversário – e olha que somos obrigados a reconhecer que o Fortaleza é muito bem treinado, com um sistema defensivo organizado e saídas rápidas para o ataque -, o que vimos foi outro time. Com todas essas diferenças aí que você falou. (E não vamos esquecer que, esse ano, não vimos nada disso contra adversários bem mais fracos.)

      Para ilustrar seu comentário, vou me fixar no item 4. Lembro de um jogo do Campeonato Brasileiro de 2012, em que o Fluminense jogava bem e ganhava por um a zero. Lá pelos quinze minutos do segundo tempo, Abel mandou aquecer mais um volante e a câmera focalizou o atacante Wellington Nem. A leitura labial permitiu perceber o comentário dele para Fred: “Ele já vai fechar o time?”. Macaco velho, sabendo do alcance das câmeras no futebol atual, Fred nada respondeu, mas fez uma expressão facial como se dissesse “fazer o quê?”. Era mais ou menos esse o padrão: quando o Fluminense estava perdendo, ele tirava volante e punha atacante; quando o Fluminense estava ganhando, ele tirava Wellington Nem e botava mais um volante. O Flu foi campeão, ok, mas tinha Diego Cavalieri no melhor momento da carreira, dois laterais em ótima forma, Jean, Deco, Thiago Neves, Fred (sete anos mais moço) e o citado Wellington Nem arrebentando.

      O que mais me intriga não é o que Abel fez ou deixou de fazer, e sim por que os caras que respondem pelo futebol do Flamengo acharam que poderia ser diferente.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

      • author avatar
        Marco Gama 3 meses ago Responder

        Oi Murtinho, só pra lembrar que o Flu foi MUITO beneficiado pela arbitragem em 2012 (novidade, né?), partida após partida, escandaloso. Houve uma partida em que o Gum deu uma gravata (quase um mata-leão!!) no atacante (acho que era do Náutico) dentro da área quando o cara iria cabecear livre, debaixo do gol, e o juiz nada marcou. Na sequencia houve uma falta abusrdamente invertida a favor do Flu, que alguém cobrou na área e que resultou no gol da vitória do Flor. Foram tantos lances como esse que, na época, o Pelaipe (à época no Grêmio se não em engano) disse numa entrevista que desse jeito não dava pra competir, o que gerou una rusga entre os dois.

        Nem vou mencionar a quantidade de gols que o Fred fez de cabeça empurrando o zagueiro à frete dele. Tivesse o VAR, metade dos gols seriam anulados.

        Mas isso aí é o padrão FluminenC, nenhuma novidade.

        SRN.

        • author avatar
          Jorge Murtinho 3 meses ago Responder

          Fala, Marco.

          Cara, eu não sei.

          Claro que tudo pode acontecer, mas acho difícil esse tipo de beneficiamento num campeonato de pontos corridos, com 38 rodadas. Normalmente, você é beneficiado aqui, prejudicado ali e acaba ficando tudo meio que elas por elas. No Campeonato Brasileiro de 2012, o presidente da CBF era José Maria Marín, que dirigira a Federação Paulista de Futebol entre 1982 e 1986, e não consigo imaginar que tipo de força o Fluminense poderia ter junto à entidade.

          É lógico que erros fatais em momentos decisivos podem dar uma bela contribuição, mas acho que isso se aplica muito mais aos mata-matas.

          Repito: não creio, mas reconheço que tudo é possível.

          Abração. SRN. Paz & Amor.

Deixe seu comentário