República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Flamengo, futebol e religião

Por | 7 de abril de 2019
flamengo-1973-500x313
19 Comments
  • author avatar
    Marco 6 meses ago Responder

    Sou um daqueles de fora do Rio que tem de dizer ‘torço para o Flamengo por ser um time nacional, não regional’.
    Meu irmão é Curintia e descobri que assistir aos jogos do mais querido com ele é pedir para acontecer o oposto do que eu espero. Quando desconfio de que p Flamengo não ganhar eu chamo ele para tomar uma cerveja e ver o jogo comigo (funcionar não funciona, mas meu coração agradece).

  • author avatar
    Bruno 7 meses ago Responder

    Bravooooooooo! Braaaaaavooooo!!!

  • author avatar
    Flavio 7 meses ago Responder

    Concordo com o amigo aí de cima, esse time de cronistas da nossa república paz e amor é de dar orgulho duplo.
    O orgulho de ser rubro negro, e o orgulho de ter tanto talento nas bem traçadas em falar da nossa paixão.

  • author avatar
    Xisto Beldroegas 7 meses ago Responder

    Dunlop, mais uma de Nelson Rodrigues, essa eterna fonte de sabedoria que eu chupo: “eu só acredito em milagres”. Eu já me referi em comentário que anda por aí perdido, e já que você abordou com maestria (epa, essa foi tipica de locutor antigo) o perigoso terreno da superstição, vou me repetir, realmente não sei o que esse time necessita para dar certo, existe algo mais sobre os ares da Gávea do que simples avião de carreira ( parodiando o barão de Itararé) e também shakeaspereando o mistério, existe algo de podre nos subterrâneos da Gávea. Acho que a coisa anda tão ruim que poderíamos convocar as eficientes bruxas do bardo citado que resolveriam não só os Macbeths da vida como os rubro-negros. Yo no creo, pero que los, etc., etc.

    • author avatar
      Dunlop 7 meses ago Responder

      Nem Xisto explica a crise na Gávea! SRN

  • author avatar
    João Neto 7 meses ago Responder

    Parabéns pela crônica! Esse assunto é delicado. A priori, cômico – desde que não envolva seu time. Não sou ligado nesses fatores externos, mas evito o acompanhamento de torcedores contrários ao estádio.

    Em 1989, combinei com um colega de faculdade para assistirmos ao jogo decisivo do carioca. O infeliz me apareceu acompanhado de um colega tricolor. Tentei persuadi-lo. Em vão. Desde esse episódio, nunca mais me acompanhei de estranhos e mal vestidos ( Como se refere um certo redator). A educação tem limites.

    SRN

  • author avatar
    pedro rocha 7 meses ago Responder

    Dunlop faz Literatura aqu ino blogue. Sorte a nossa.

  • author avatar
    Carlos Moraes 7 meses ago Responder

    Excelente crônica.

    A melhor do Dunlop, pelo menos para mim.

    Trouxe até a opinião do filho de Dona Iramaia (que mulher de fibra), eis que é impossível haver dois Cid B. !

    Embasbacadas SRN
    FLAMENGO SEMPRE

    • author avatar
      Dunlop 7 meses ago Responder

      Obrigado Moraes, e valeu a força, Cid! Vocês precisam ver as superstições que amigos estão me mandando. Vagabundo chega a não lavar o Manto Sagrado após uma noite boa no Maraca. Quem se lembrou dos macetes do Apolinho no comando do time? SRN

  • author avatar
    Ricardo 7 meses ago Responder

    Muito bom, Dunlop!
    Mas com o Abel sentado do banco nem precisa de sapo enterrado na Gavea.
    O time é um amontoado de bons jogadores, nenhum é craque mas pode decidir a partida num lance mais inspirado.
    Esquema de jogo? Como assim? O Abel se inspira no Felipão, aquele do 1 X 7…
    Plunct, plact, zum, não vai a lugar nenhum

    • author avatar
      Dunlop 7 meses ago Responder

      Pode ser, grande Ricardo. Olhai pro céu, olhai pro chão!, já dizia a cantiga da infância.

  • author avatar
    Ronaldo 7 meses ago Responder

    Nunca assisto aos jogos usando o manto. Acredito que dá azar. Só visto depois que o jogo acaba – vencendo ou perdendo.

    • author avatar
      Dunlop 7 meses ago Responder

      Valeu, Ronaldo! Há amigos aqui garantindo que não veem jogo com o Galvão de jeito nenhum. É cada mandinga…

  • author avatar
    Aureo Rocha 7 meses ago Responder

    Pois, meu caro Dunlop, sobre este tema eu já venho me perguntado: será que os meninos mortos no incêndio do Ninho do Urubu andam conspirando contra o Flamengo?

    ” (resolve logo esse carma, Landim, pelo amor de São Judas)”

    Que o time não é lá essas coisas, eu estou cansado de saber.

    Mas fatos estranhos andam acontecendo. Exemplos: o VAR anula gol interpretando lance de falta, o auxiliar bem colocado não acena o impedimento, enquanto o árbitro mal colocado marca… Se moro na Bahia…

    Ontem, conversando com minha “conge”, (é com g mesmo, igual a monge) nós chegamos a conclusão de que se o time “vim” a ser campeão carioca, mesmo “sobre” todas as pressões existentes, estará contrariando a urucubaca que paira na Gávea e no Ninho.

    Excelentes suas crônicas.

    SRN!

    • author avatar
      Dunlop 7 meses ago Responder

      Grande Aureo, chegou a ver a entrevista do Marcio Braga na Fla TV? Que as bruxas existem, existem, como o ex-presidente garante naquela derrota lá para o Serrano… Vale ver e rever.

  • author avatar
    cid benjamin 7 meses ago Responder

    muito bom, garotão.

  • author avatar
    Rasiko 7 meses ago Responder

    Genial! Só não repito a frase-símbolo do Carlos Moraes – “Palmas de pé como no antigo teatro Municipal” – porque não pedi licença sobre seus direitos autorais.

    Orgulho, mesmo, sincero, de coração (fazendo o coraçãozinho com as mães), dessa troupe de cronistas.

    Não tem no mundo – não investiguei, mas posso garantir – um clube com tão excepcionais testiculadores e com olhares tão diversos sobre o time-paixão.

  • author avatar
    Muhlenberg 7 meses ago Responder

    Excelente! Mandou, Dunlop.

Deixe seu comentário