República Paz & Amor

Por favor, aguarde...

República Paz & Amor

Até a última ponta.

Por | 8 de novembro de 2019
D2 Form2
32 Comments
  • author avatar
    Fernando Amadeo 1 semana ago Responder

    Prezado Murtinho,
    Acho que o Flamengo jogou bem, ontem. Arrascaeta faz muita falta. Bom que ele não irá se desgastar com a sua seleção às vésperas da final da Libertadores.
    O difícil é praticar futebol tendo um adversário que transforma o jogo em praça de guerra, incentivado pela sua irresponsável e mesquinha diretoria. Bateram feio e muito para intimidar, com a conivência do soprador de apito, a quem pressionaram demais para tentar ganhar no grito.
    O resultado foi selvageria dentro e fora do estádio, só que, de carona no JJ, “não valeu a pena bater tanto”.
    Problema deles! Enquanto consomem suas parcas energias nutrindo esse inútil ódio contra nós, seguimos confiantes rumo ao Hepta e ao Bi!
    SRN! Prá cima deles, Flamengo!

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Perfeito, Fernando.

      Também achei. Não demos espetáculo, mas foi um osso duríssimo.

      Uma coisa é jogar contra quem marca em cima e chega junto, outra é enfrentar um time que entra para distribuir pancadas. Se o juiz não agir, fica complicado.

      O resultado é esse: Flamengo rumo ao bi, Botafogo rumo à B.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    The Trooper 1 semana ago Responder

    Li uma notícia que dizia que o botafogo fechou acordo para transmissão do jogo para Portugal.

    Putz, imagina os portugueses vendo o festival de horrores que o botafogo proporcionou, sintetizando de forma quase perfeita o atual estágio do futebol brasileiro….

    Vergonha é pouco pra definir aquilo. Nem times pequenos que disputam o campeonato carioca atuam de forma tão pequena e indigna.

    Ontem o botafogo demonstrou que está pronto para virar o novo Bangu.

    De forma merecida.

    O atual botafogo não faz qualquer falta ao esporte.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Fala, Trooper.

      Agora, rivalidade à parte e relevada a pancadaria, é uma pena, né não?

      Clube grande, história bonita, um monte de craques, bons serviços prestados à seleção brasileira (em épocas em que os brasileiros que gostam de futebol ainda ligavam para a seleção brasileira). Virou isso que está aí.

      Alberto Valentim, Joel Carli e que tais, esses caras não têm espaço no mesmo livro cujos personagens são Garrincha, Nilton Santos, Didi, Amarildo, Zagalo, Gerson, Leônidas, Jairzinho, Paulo Cezar Caju.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

      • author avatar
        The Trooper 1 semana ago Responder

        Murtinho, a “pena” é meramente pelo distante passado.

        Pelo presente, em primeiro lugar, será um enorme absurdo que o clube não seja punido pelas cenas de selvageria que promoveu em seu estádio alugado.

        Com um treinador como Valentim e a mentalidade tacanha de sua diretoria e torcida, uma pena será se não for ejetado da elite do futebol nacional.

  • author avatar
    Ricardo 1 semana ago Responder

    Se o estagiário do Globoesporte conseguisse descrever o jogo como você facilitaria para quem não conseguiu chegar a tempo de assistir. Melhores momentos mesmo!
    Agora, elogios de torcedores adversários é muita bondade sua. Nunca vi tanta raiva contra o nosso Mengão.
    Na partida contra o Botafogo a coisa saiu do controle. Os caras entraram babando, o Gabriel apanhou mais que professor em manifestação.
    E a diretoria do alvinegro está de parabéns pela visão arrojada. Não pagam salário há mais de 2 meses mas mantiveram a postura de liminar os ingressos em 10% para os visitantes. Em contrapartida liquidaram os ingressos para sua torcida com direito a acompanhante. E nem assim lotaram o estádio.
    Também não queriam o televisionamento para Portugal, mesmo que deixassem de ganhar algum dinheiro.
    Deu no que deu, violência dentro e fora do campo.
    Pelo jeito nos próximos anos jogo contra o Botafogo só no carioca.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Pô, Ricardo, releve.

      O cara tem que escrever ali na hora, ele faz o que é possível. Eu vejo, revejo, vejo pela terceira vez, quarta. A jogada do Gerson no segundo gol do Bruno Henrique contra o Corinthians, que usei para abrir aquele post, eu devo ter visto, sem brincadeira, uma dúzia de vezes. De qualquer modo, obrigado pelo elogio.

      Discordo da raiva. Despeito, talvez, mas tenho visto muita gente, sobretudo de fora do Rio (onde o histórico de rivalidades impede o reconhecimento) admirando o futebol que o Flamengo tem jogado e o usando como exemplo do que gostaria que seu time fizesse.

      Sábado passado, duas ou três horas antes de começar Palmeiras e Ceará, no Allianz Parque, eu estava num bar em Perdizes, bairro que abriga muitos palmeirenses. (O estádio fica ali.) Na mesa ao lado, dois amigos falavam de futebol. Um era palmeirense, o outro não. O que não era (não consegui perceber para que time torcia) provocou: quer dizer que amanhã vai torcer pelo Corinthians. O outro respondeu: tenho que torcer, né, fazer o quê? E o não-palmeirense: eu vou torcer pro Flamengo, eles estão merecendo.

      Tenho visto muita coisa parecida. Não sei onde você mora, mas se for no Rio, tá explicado. Aí, a inveja é uma merda.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Rasiko 1 semana ago Responder

    Concordo que 1×0 foi goleada. Pouco antes do gol eu já tava me preparando pra levantar e sair fora, puto da vida com o Vuaden que não teve pulso pra impedir a caça aos nossos jogadores, talvez estimulados pelo “sucesso” do São Paulo – até hoje não entendo como nenhum jogador deles (SP) foi expulso. Porque será?

    Daqui pra frente nada vai ser diferente – todos os times vão dar a vida pra parar o Flamengo, não importa de que jeito, sabendo que contam com a complacência dos títeres do gaciba/cbf. Tivemos sorte de não ter nenhum jogador gravemente ferido. Mas pro azar dos anti, as deusas da justiça cósmica estão do nosso lado. Mesmo, como sempre, parecendo um lutador de sumô – esse garoto tem distúrbio glandular -, Lincoln foi pro jogo e tirou o pão da boca tanto dos caçadores de homens (ui!) como da porcalhada consumidora de ventiladores, leques e abanadores. Imagina a frustração deles!

    Vou torcer muito pra que caiam. Merecem. Contratar um treinador (?) da descategoria do Valentim, que já tinha deixado o Avaí na lanterna, é pedir pra morrer. E digo mais: se cair, não vai ser fácil subir de volta.

    srn p&a

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Fala, Rasiko.

      Muito bem lembrado. Naquele zero a zero, o São Paulo bateu bonitinho. E é isso aí: ganhar do líder sempre tem um gostinho especial, o problema é que o Flamengo não tem dado esse gostinho a ninguém. Que continue assim.

      Também fiquei assustado com o tamanho do pescoço do Lincoln. Tomara que eu esteja completamente enganado, mas na hora me lembrei do hipotireoidismo do Ronaldo Fenômeno.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

      • author avatar
        Rasiko 6 dias ago Responder

        Na mosca: hipotireoidismo é o nome da coisa e, se não se tratar agora, quando parar vai ficar pior que o Ronaldo. É só lembrar que antes ele, Ronaldo, era fininho (lembra da época do “casamento” com a Daniela não-sei-das-quantas?). Pois é, o Lincoln já tá pescoçudo com 18 anos.

        • author avatar
          Rasiko 6 dias ago Responder

          O hipotireoidismo traz muitas consequências graves pra saúde, entre elas, só pra citar algumas que podem ter influência direta na performance de um atleta, sonolência/cansaço (influencia concentração e foco), ganho de peso, prisão de ventre (todas as doenças começam no intestino preso), anemia e… alteração na libido, o que significa queda na taxa de testosterona e, portanto, agressividade, embora seu gol tenha mostrado o contrário. Mas como não dá pra duvidar desse DM do Flamengo, há esperança. Mesmo assim, explica-se suas constantes contusões e demoras na recuperação.

  • author avatar
    Carlos Moraes 1 semana ago Responder

    Meu amigo Murtinho,

    até concordo que o essencial é a vitória, vale dizer os três pontos conseguidos, a manutenção da vantagem de oito, para mim inalcançável.
    Tudo bem, mas que foi um jogo HORRÍVEL, de péssima categoria técnica, não há também como ser negado.
    Fiquei bem preocupado. Não quanto ao Brasileirão, dada a nossa inquestionável superioridade. O problema, a meu sentir, será a Libertadores.
    A garra, excessiva eis que chegando à violência, demonstrada ontem pelo FRAQUÍSSIMO time do Botafogo, certamente será bem menor que a do River Plate. É uma tradição argentina.
    Se formos bem avaliar, foram pouquíssimas as oportunidades que criamos, ontem. Não me recordo de uma só defesa difícil do que o Botafogo tem de melhor, o seu goleiro Gatito.
    Paramos na marcação severa e violenta. Quase nada conseguimos e, quando foi possível, não se pode deixar de esquecer que o adversário estava reduzido a DEZ jogadores. Um time medíocre, ainda por cima com menos um durante todo o segundo tempo.
    Parece-me que, fora os 11 excelentes titulares, não temos um só reserva à altura. René e Vitinho, ainda por cima juntos pelo lado esquerdo, foram tristes, de chorar na rampa.
    Ainda por cima, pela primeira vez, Gerson foi inútil, pouco produzindo. Seria desgate físico, indago.
    Ainda bem que o Mister é meio maluco, Tirou o craque, substituindo-o pelo pobre Lucas Silva. Até aí, nada de mais, Eis que ganhou o jogo, colocando-o na ponta direita e trazendo o excelente Everton Ribeiro para a armação, ainda a tempo de enfiar uma bola extraordinária para o Bruno Henrique, que foi perfeito no cruzamento, após deixr o marcador a perder de vista, encontrando o jovem Lincoln na posição ideal para matar a partida.
    Trêsjogos fracos em quatro. É preocupante.
    Para mim, o River Plate não é o Palmeiras. É bem melhor,t al como Marcelo Gallardo não se compara a mais um treinero gaúcho de merdda (royalties para o querido Bill).
    Temos q

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Meu amigo Carlos Moraes.

      Tenho algumas discordâncias.

      O jogo não teve um alto nível técnico, mas esteve longe de ser horrível. Futebol permite que algumas partidas sejam bacanas mesmo sem grandes virtuosismos. Tem a entrega, a aplicação tática, a paciência para superar uma marcação severa, um monte de coisas.

      Mais: não dá para comparar um jogo com outro. Se jogarmos contra o River Plate o que jogamos contra o Goiás, provavelmente perderemos. Se o River Plate jogar contra a gente o que jogou na segunda partida da semifinal contra o Boca, é quase certo que ganharemos. Na verdade, ambos devem jogar muito mais.

      Concordo: escalar Renê e Vitinho simultaneamente, e no mesmo lado, tabelando, é dureza.

      A grande sacada da entrada de Lucas Silva foi menos a entrada de Lucas Silva, e sim, conforme você destacou, o deslocamento de Everton Ribeiro para a meia-esquerda, onde ele começou a jogada do gol de Lincoln.

      Também acho o River Plate bem melhor que o Palmeiras. Mas não sei se é melhor que o Grêmio.

      Enfim, é outra competição, outra motivação, outro jogo.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    João Neto 1 semana ago Responder

    Murtinho, um dos times mais chatos para confrontar é o Botafogo. A Vitória, normalmente, costuma ser por apenas um gol. Lembro dos tempos idos em que o grande ponta esquerda Júlio César comia um dobrado quando pegava o lateral direito China. Não se criava. Chegava a ser irritante a insistência em tentar sair vitorioso do duelo. Prejudicava todo o desempenho ofensivo. Todos tinham que assistir as infrutíferas tentativas de ultrapassar o marcador. Acredito que a perda da titularidade para o grande Lico foi decorrente da pequena participação tática. Quando ele não brilhava, batia uma neura no atacante.

    Depois, veio o Drible Baila Comigo, aplicado por Mendonça sobre Júnior, eliminando o rubro-negro do Campeonato Brasileiro de 1981. Ontem mesmo, meu irmão me indagou de como seria a partida. Jogo contra o alvinegro é sempre encardido. Não me refiro aos anos anteriores a 1973, porque não vi.

    Esse tipo de jogo é ganho nos detalhes. Parabéns ao treinador que teve a ousadia de colocar os meninos em campo. O contestado Linconl mais uma vez fez um gol importantíssimo.

    Contra tudo e contra todos, avante Mengão!!

    SRN

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Fala, João.

      Clássico, né? Só que a falta de sensibilidade dos dirigentes alvinegros e a violência de alguns integrantes de torcidas organizadas, dos dois lados, transformaram futebol em guerra. Estupidez completa.

      Nunca entendi por que Júlio César saiu do Flamengo para jogar no Talleres. A torcida o adorava. Não sei se houve algum problema com dirigentes, com técnico, com outros jogadores, sei lá. Eis um bom tema a ser pesquisado.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

      PS: E a saúde? Tudo sob controle?

      • author avatar
        João Neto 1 semana ago Responder

        Ontem, 11h, retornei ao lar. Cirurgia delicada. Retirada de bolsa de colostomia c/c retorno do trânsito intestinal, mais retirada de hérnia na barriga.

        10 dias hospitalizado.

        Fiquei quase dois anos usando bolsa de colostomia decorrente de apendicite supurada.

        Terei de ficar 30 dias em recuperação. Vou Aaproveitar para acompanhar o nosso querido Flamengo em sua trajetória rumo às conquistas.

        Obrigado pela lembrança.

        Um abraço.

        • author avatar
          Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

          É isso ai. Vai ser uma recuperação de campeão.

          Bola pra frente.

          Abração. SRN. Paz & Amor.

          • author avatar
            Carlos Moraes 6 dias ago

            Fico feliz por tudo ter saído bem.

            Espero, assim como o nosso Murtinho, que nesses 30 dias de molho, possamos comemorar dois títulos e nos prepararmos para um terceiro,
            Aliás, ontem vi o jogo do Liverpool e … fiquei mais preocupado ainda. Estão voando.

            Felizes SRN
            FLAMENGO SEMPRE

          • author avatar
            João Neto 6 dias ago

            Agradeço aos dois.

            SRN

  • author avatar
    Márcio 1 semana ago Responder

    Faltou dizer que os 2 ataques perigosos do faísca havia impedimento.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Fala, Márcio.

      Esse negócio de impedimento pós-VAR tá um pé no saco.

      Bandeirinha não marca nem a banheira mais escandalosa, juízes terceirizam as decisões, os jogadores continuam correndo feito alucinados, péssima ideia. Curioso é que, na Inglaterra, nada disso acontece. Bandeirinhas continuam bandeirando, juízes continuam apitando, o VAR interfere incomparavelmente menos do que aqui. Por que a gente insiste em fazer as coisas da pior maneira possível?

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Marcelo Goldenstein 1 semana ago Responder

    Acho que você pegou leve com o Botafogo. Ao final do jogo, eu estava mais revoltado com a mediocridade d adversário do que feliz pela vitória. Aí resolvi escrever umas paradas. Lá vai:

    Nada sintetiza melhor o último Botafogo X Flamengo do que a imagem do Joel Carli vociferando impropérios sobre um Bruno Henrique caído na área após uma disputa de jogada. E, em seguida, simulando uma agressão para tentar forçar a expulsão do adversário.

    O Botafogo encarou essa partida como uma verdadeira guerra: cedeu aos torcedores do Flamengo apenas 3 mil ingressos e tratou a partida com uma motivação extra, por ser contra seu adversário histórico e líder inconteste do Campeonato. A proposta clara era “entrar para rachar” em todo e qualquer lance do jogo, demonstrando a tal “raça” para os seus sofridos torcedores e tentando compensar o evidente desnível técnico com uma vontade extra de vencer.

    Se tudo tivesse funcionado, o Botafogo arrancaria um pontinho no jogo e seus torcedores sairiam festejando. Talvez festejando mais os dois pontos retirados do Flamengo do que seu próprio ponto conquistado.

    Após o jogo, Jorge Jesus demonstrou indignação com relação à postura do adversário, injustificável sobretudo em um campeonato de pontos corridos, onde todo e qualquer jogo vale os mesmos 3 pontos. E, colocando em alto risco de contusão os atletas do Flamengo, a apenas duas semanas de seu jogo mais importante dos últimos 40 anos, uma final de Libertadores.

    Em resposta, Valentim, o técnico do Botafogo respondeu dizendo que “nosso time veio para jogar, fomos aguerridos, os jogadores estão de parabéns”. E ainda disse, com total despeito e falta de educação, que “Jesus devia ficar de boca calada”. O técnico ainda disse que “foi um pecado tomar o gol. A expulsão nos dificultou”. Como se a expulsão de algum dos atletas não fosse uma consequência óbvia e natural da orientação dada por ele a seu time!

    Essa declaração veio de um técnico que acumula 10 derrotas nos últimos 12 jogos e que desmontou o bom esquema de jogo do técnico anterior, Eduardo Barroca, que ao invés de dar pontapés, valorizava a posse de bola, apesar da limitação técnica do elenco. Vale lembrar o excelente jogo do primeiro turno, um jogo limpo e equilibrado em que o Flamengo venceu de 3 x 2.

    Essa postura do clube mostra que o Botafogo se apequenou como instituição. Ao invés de assumir e respeitar a superioridade de outros clubes – como o fez o Grêmio, de forma muito digna após os acachapantes 5 x 0 – , opta pelo caminho da mediocridade, orgulhando-se de sua falta de futebol e excesso de “vontade”, que descamba naturalmente para a violência.

    É por meio dessa linha de atuação que o Botafogo está traçando seu caminho inarredável para a segunda divisão. Dessa vez, é possível que lá permaneça por vários anos, em função de seu número baixo e decrescente de torcedores, de sua dívida financeira gigantesca e da sua opção escancarada pela pequenez.

    E quando os saudosistas se lembrarem dos tempos gloriosos do Fogão de Mané, Didi e Nilton Santos ou até de Mauro Galvão, Dodô e Túlio Maravilha, essa visão será inevitavelmente confrontada pela imagem de Carli, um pereba metido a xerife, um misto de Felipe Melo e Augusto Nunes, desfilando seus pontapés em um atacante “folgado” do Londrina. Para aplausos efusivos de sua reduzida torcida no Engenhão, numa terça-feira à noite

    • author avatar
      Carlos Moraes 1 semana ago Responder

      Antecipar-me às apreciações do Murtinho é um pecado, mas não resisto à tentação de elogiar a excelente crônica do Marcelo, que nem conheço.
      Parabéns.

      SRN
      FLAMENGO SEMPRE

      • author avatar
        Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

        Justíssimo.

        O texto do Marcelo é primoroso.

        Abração. SRN. Paz & Amor.

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Fala, Marcelo.

      Pra começo de conversa: onde é que você estava que demorou tanto para participar da nossa humilde caixa de comentários?

      Concordo com a crítica. Ocorre que o sentimento que você manteve até o fim do jogo, no meu caso foi suavizando conforme a partida se desenvolvia. Sim, o Botafogo bateu feito gente grande no primeiro tempo, enquanto o time aguentou correr. No segundo, como nem bater aguentava mais, limitou-se a rebater bolas.

      Joel Carli é pavoroso. Lento, cintura dura, caneleiro, sem técnica alguma, metido a xerifão, típico jogador de série B. Há grandes chances de, no ano que vem, estar no lugar certo.

      Alberto Valentim corre o risco de ser rebaixado duas vezes no mesmo ano, por dois times diferentes. E você tem razão: Barroca vinha tirando leite de pedra daquele elenco abaixo da crítica. (Qual grande clube brasileiro ainda cairia no conto de Diego Souza? Que torcida de grande clube brasileiro faria festa no aeroporto para receber Diego Souza?)

      Por fim: mistura de Felipe Melo com Augusto Nunes é genial.

      Parabéns pelo comentário e apareça sempre.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

  • author avatar
    Marcos 1 semana ago Responder

    Salve Murtinho

    Cara, o Botafogo é, já há algum tempo, o mais incômodo freguês local e não é porque dificulte nossa vida em campo, mas pela postura de inseto fora dele.

    Rogo para que continuem assim, pequenos, mesquinhos, recalcados e amargurados porque assim quem ganha é o Flamengo. Como você disse, a eles cada vez mais restará apenas secar e evitar quedas de divisão.

    A nota triste vai para o clima bélico criado pelos dirigentes deles, o que não deixa de explicar a penúria desse ex-grande clube

    Rumo ao Hepta e ao Bi!

    SRN

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Fala, Marcos.

      Realmente, é muito estranho esse comportamento de alguns dirigentes botafoguenses, agindo como se fossem sub-euricos-mirandas.

      Uma pena, porque o Botafogo já foi muito grande e não para de se apequenar. A única esperança está, parece, no projeto dos irmãos Moreira Salles. Não conheço o projeto, mas os irmãos são dois caras bacanas, atuando por puro amor ao clube.

      Vamos ver que bicho vai dar.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

      • author avatar
        Marcos 1 semana ago Responder

        Nisso vc tem razão, os irmãos Salles são gente do bem, ao contrário dos animais que vimos protagonizando cenas de barbárie no Engenhão (sou fã dos filmes do Walter).

        Inclusive, há alguns anos, travei uma discussão engraçada via email com o João sobre futebol, motivada principalmente pela proposital ausência do Flamengo nas páginas da Piauí.

        SRN

  • author avatar
    chacal 1 semana ago Responder

    murtinho e amigos,

    depois do jogo de ontem aonde o botafogo só entrou pra bater….fiquei preocupado com o jogo contra o vasco.
    pq não tem muito tempo e ficamos um tempão sem vencer os vices pq eles entravam duro nas jogadas e intimidavam nossos jogadores.
    vasco e botafogo são rivais que além de futebol temos que ter bravura para supera-los.

    SRN !

    • author avatar
      Jorge Murtinho 1 semana ago Responder

      Fala, Chacal.

      Pois é. Isso é o que está, creio, nas entrelinhas do texto do post.

      Lembra dos jogos contra o Fluminense pelo campeonato estadual? Os caras correndo feito alucinados, chegando junto, reclamando do juiz em todos os lances, jogos chatos.

      Os primeiros 25 ou 30 minutos da partida com o Vasco, pelo primeiro turno do brasileiro (quatro a um, com Diego Alves pegando dois pênaltis), também foram assim.

      E tudo indica que só vai piorar, porque a tendência é aumentar a diferença financeira entre o Flamengo e os outros três, com reflexos imediatos nos elencos, nas escalações e dentro de campo.

      Resta a eles dois consolos: ganhar do Flamengo e permanecer na série A. Duas coisas que estão ficando cada vez mais difíceis.

      Abração. SRN. Paz & Amor.

      • author avatar
        chacal 1 semana ago Responder

        além do enfraquecimento econômico das equipes cariocas ,tem a inveja que vai acirrar ainda mais a rivalidade.
        nesse jogo contra o botafogo ficou nitido.

        SRN !

Deixe seu comentário